Reinaldo Branco homenageado “em casa”

A tarde foi de muito calor e apelava a uma ida à praia, mas o convite da Junta de Freguesia de Febres, para homenagear um dos mais importantes filhos da terra, teve mais força.

Prova disso foram as dezenas de pessoas que, no passado dia 17 de Junho, marcaram presença na inauguração da Sala Reinaldo Branco, o espaço multiusos que resultou da recuperação das antigas instalações da Casa do Povo de Febres.

Mais do que uma tarde de inaugurações, foi uma tarde de homenagem a Reinaldo Branco, autarca durante 20 anos e falecido em 2007, e cuja memória foi evocada pelo actual presidente da Junta de Freguesia, Carlos Alves, pelo presidente da Câmara de Cantanhede, João Moura e por dois dos seus melhores amigos: o Padre Manuel Carvalheiro e Carlos Catarino.

A cerimónia começou com o descerramento da placa inaugurativa, seguida de uma actuação das Pequenas Vozes de Febres, que animaram o público com o seu reportório fresco e alegre. Seguiram-se os discursos, uma das partes mais emocionantes deste dia, que se centrou na figura de Reinaldo Branco e no trabalho por este desenvolvido em prol “da sua terra e das suas gentes”.

Carlos Alves, presidente da Junta de Freguesia, referiu-se à cerimónia “essencialmente como um acto de simbolismo”, que pretendeu reconhecer “o trabalho, dedicação e visão futura de Reinaldo Branco em prol da freguesia da qual esteve à frente durante 20 anos”. Responsável por obras como a Casa do Povo (que agora dá vida à sala Reinaldo Branco) e a sede da Junta da Freguesia, o ex-autarca foi recordado como um “homem de luta”.

Já João Moura, na condição de Presidente da Câmara Municipal de Cantanhede mas também de amigo, assinalou a ocasião como um momento de “perpetuar o futuro e recordar o passado. É momento de perpetuar a memória de um homem que serviu e amou a sua terra”.

“Reinaldo Branco não deixou de estar presente […] Era um coração aberto, uma daquelas pessoas que ou adoramos ou odiamos”, afirmou João Moura, recordando alguns momentos vividos com o ex-autarca: “Foi com ele que conduzi um carro pela primeira vez. Uma outra vez, o cão dele adoeceu e então ele levou-me, como substituto do animal, para a caça dos tordos [risos] ”.

 

Amigos que não esquecem

Na mesa de honra estiveram também dois dos melhores amigos de Reinaldo Branco. O primeiro a usar da palavra foi o Padre Manuel

Carvalheiro, antigo pároco de Febres, que teve a oportunidade de conhecer muito bem o ex-autarca, alguém “que fazia por aproximar-se das pessoas”, aquando da sua passagem pela vila, logo após a sua ordenação.

“Era um homem e um amigo dono de um coração repleto de generosidade e bondade, que se debatia pela sua terra e gentes. Era uma pessoa profundamente irrequieta também”, frisou o Padre Manuel, aproveitando a ocasião para homenagear também Licínia Miraldo, esposa de Reinaldo Branco, presente na inauguração, reforçando que “ao lado de um grande homem há sempre uma grande mulher”.

Carlos Catarino, professor e amigo de longa data de Reinaldo Branco, foi um dos presentes mais emocionados. Indo ao encontro do que havia sido dito, o febreense destacou o enorme coração do homenageado, “em que a teimosia não era defeito, era feitio”.

“O Reinaldo era um grande homem, um homem de acção no terreno, um excelente amigo, mas também um excelente autarca, que meteu mãos à obra em muitos domínios”, recordou o amigo “de mais de 40 anos”.

Freguesia ganhou um novo espaço

A Sala Reinaldo Branco era um projecto há muito pretendido pela Junta de Freguesia, que resultou de um protocolo, estabelecido em 2009, entre o Município de Cantanhede e a Casa do Povo, que cedeu as suas antigas instalações para estas serem utilizadas por duas valências: a instalação da USF “As Gandras”, que aconteceu em 2015, e agora a Sala Reinaldo Branco.

De acordo com o Presidente da Junta de Freguesia de Febres, Carlos Alves, a sala, cuja reabilitação teve o custo de 35 mil euros, servirá para a realização de actividades culturais e recreativas variadas, contando com uma divisão principal e ampla, uma sala de reuniões e ainda um balneário.

Com um layout moderno, da responsabilidade do designer António Fresco, a recuperação da casa contou com o apoio ainda dos ex-dirigentes da Casa do Povo, que cederam 8 mil euros, e que, deste modo, ajudaram à concretização deste projecto “que pretende reconhecer o passado e as figuras que lhes estão associadas”.

Cemitério alargado

No mesmo dia em que inaugurou a Sala Reinaldo Branco, a Junta de Freguesia procedeu ainda à inauguração e bênção

da nova ampliação do cemitério da freguesia.

Após uma breve romaria à campa de Reinaldo Branco, a comitiva seguiu para a nova área do cemitério, que foi benzida pelo Padre Manuel Carvalheiro.

Encabeçada por um mural onde se lê a frase da Bíblia “Lembra-te, homem, que és pó e ao pó voltarás”, esta nova ala, com 7 mil metros quadrados, tem capacidade para cerca de 630 campas, 366 ossários e 21 jazigos, num espaço arborizado.

De acordo com Carlos Alves, Presidente da Junta de Freguesia de Febres, o alargamento foi possível porque a Junta adquiriu vários terrenos contíguos.