Pinto da Costa inaugurou casa do FC Porto em Cantanhede

No passado dia 4 de Março Pinto da Costa inaugurou a casa do Futebol Clube do Porto em Cantanhede. A comitiva do clube foi recebida nos Paços do concelho pelo presidente do município, João Moura. De seguida houve um jantar convívio que reuniu cerca de 600 pessoas no salão dos Bombeiros Voluntários de Cantanhede.

Jorge Nuno Pinto da Costa, presidente do Futebol Clube do Porto (FCP), inaugurou no passado dia 4 de Março a casa Dragões de Cantanhede – delegação do FCP número 144. A Câmara Municipal foi o primeiro ponto de paragem, com o respectivo Presidente, João Moura, a receber nos Paços do Concelho o responsável máximo do Futebol Clube do Porto. As imediações da Câmara Municipal de Cantanhede estavam repletas de azul e branco, com centenas de adeptos e simpatizantes a receber a comitiva do clube.

Na cerimónia solene nos Paços do Concelho, Pinto da Costa ofereceu um cartão de sócio do clube a João Moura, tendo então afirmado:

“O FC Porto cresceu pelo sucesso, mas também porque no país que se divide entre Lisboa e o resto onde nos englobamos, o FC Porto orgulha-se de ser um baluarte contra o centralismo”.

A comitiva seguiu para a Casa do Porto de Cantanhede, onde decorreu uma pequena cerimónia religiosa e o descerrar de uma placa alusiva ao acto.

“É um sonho tornado realidade, estou muito feliz”, disse Luís Miguel Pires, presidente da Casa do FC Porto em Cantanhede.

O evento terminou com um jantar convívio, no salão dos Bombeiros Voluntários de Cantanhede, onde estiveram presentes cerca de 600 pessoas.

Luís Miguel Pires contou ao AuriNegra que a sua paixão pelo FC Porto nasceu quando ainda era criança. “O meu pai é portista, mas a paixão pelo clube concebia-a eu ao ver o FC Porto somar títulos”, referiu o líder da Casa do FCP de Cantanhede. Relembrou, ainda, que o primeiro jogo que viu no estádio foi frente ao Nacional da Madeira e que “o primeiro deixa sempre marcas. Foi fantástico”.

Iniciar o projecto de abrir uma delegação do FC Porto em Cantanhede não foi um processo fácil. “Inicialmente a ideia era abrir um núcleo dos Super Dragões, uma vez que faço parte, bem como cerca de vinte pessoas que me acompanham e que estavam dispostas a enfrentar o desafio. Entretanto, houve outras pessoas a juntarem-se ao projecto e decidimos abrir uma Casa do FC Porto. Éramos cerca de quarenta pessoas, hoje temos trezentos sócios.”

O balanço que Luís Miguel Pires fez desde a abertura da delegação número 144 (em Agosto de 2015) é “bastante positivo, superou todas as nossas expectativas”.