Orquestra Clássica do Centro actua em Febres

A Orquestra Clássica do Centro sobe ao palco do Pavilhão Multiusos de Febres na próxima sexta-feira, dia 5 de Outubro, à 21h30, com um espectáculo musical erudito inédito, convidando para o efeito, elementos de outras formações musicais locais a juntar-se a si, para que interpretem em conjunto um repertório de excelência, no dia em que se assinala a Implantação da Republica, em Portugal.

A iniciativa integra um ciclo de concertos da programação em rede Coimbra Região de Cultura, proporcionado CIM – Região de Coimbra, em parceria com o Município de Cantanhede, contando com o apoio da Freguesia de Febres e da Gira Sol – Associação de Desenvolvimento de Febres.

Sob a direção do seu maestro titular Jan Wierzba, a Orquestra Clássica do Centro contará com a presença de músicos convidados e oriundos das bandas filarmónicas dos municípios em que se realizam os concertos, nomeadamente Cantanhede (Phylarmonica Ançanense, Filarmónica de Covões e Associação Musical da Pocariça), Tábua e Góis. O espectáculo tem ainda como convidado o coro Pequenas Vozes de Febres, que interpretará vários temas do reportório erudito, onde se destaca Can Can, de Offenbach, entre outros.

Do programa da Orquestra Clássica do Centro constam obras paradigmáticas do reportório clássico, como é o caso da Abertura da Ópera La Gazza Ladra de Gioachino Rossini ou a obra Valsa do Imperaror de Johann Strauss II, para além da interpretação de célebres arias do reportório operático com a participação especial da Soprano Marina Pacheco.

Este primeiro ciclo de concertos, que começa em Cantanhede, irá continuar no Centro Cultural de Tábua, a dia 6 e no dia 13 de Outubro, na Casa da Cultura de Góis. A esta larga formação juntam-se também elementos da Academia Artística do Município de Tábua, da Banda Filarmónica da Associação Educativa e Recreativa de Góis e da FILVAR – Filarmónica Varzeense.

O Projecto ‘Coimbra Região de Cultura’ é cofinanciado pelo CENTRO 2020, Portugal 2020 e União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

Programa

Abertura da Ópera La Gazza Ladra – Gioachino Rossini (1792 – 1868)

Una Voce poco fa – Gioachino Rossini (1792 – 1868)

Je veux Vivre – Charles Gounod (1818-1893)

Dança Hungara n.º 1 – Johannes Brahms (1833 – 1897)

Dança Eslava n.º 8 – Antonín Dvořák (1841 – 1904)

Valsa do Imperador – Johann Strauss II (1825 – 1899)

Pompa e Circunstância n.º 1 – Edward Elgar (1857 – 1934)

* Toreador da Ópera Carmen – Georges Bizet (1838 – 1875)

* CAN CAN – Jacques Offenbach 1819- 1880) letra de Mário João Alves