Museu da Pedra recebeu Fórum para a Capacitação

O Auditório do Museu da Pedra de Cantanhede acolheu, no dia 25 de Fevereiro, o primeiro “Fórum para a Capacitação”, iniciativa que surge no âmbito de uma articulação dinâmica entre a EAPN Portugal/Núcleo Distrital de Coimbra, a Rede Social de Cantanhede e o Contrato Local de Desenvolvimento Social “Cantanhede 3G – Intervir, Integrar e Incluir”.

O fórum contou com a presença de Susana Monteiro (Doutoranda em Sociologia Económica e das Organizações e Consultora e Avaliadora de projectos, programas e políticas públicas) que, durante a sua exposição, efectuou o enquadramento geral dos Programas Operacionais temáticos e regionais, no âmbito do Portugal 2020, e evidenciou os conceitos e princípios fundamentais da metodologia de projecto, enfatizando a necessidade de elaborar bons diagnósticos, identificar os problemas bem como as causas.

No evento participaram ainda 17 técnicos, em representação de 10 entidades sem fins lucrativos que intervêm no concelho de Cantanhede: ACAP – Associação Cívica dos Amigos da Pocariça, Câmara Municipal de Cantanhede, Centro Social e Paroquial da Cordinhã, Centro Cívico Polivalente “O Emigrante”, Fundação Pires Negrão, Centro Social e Polivalente de Ourentã, Associação de Desenvolvimento, Progresso e Vida da Tocha, ACES do Baixo Mondego – Centro de Saúde de Cantanhede, Comissão de Melhoramentos do Corticeiro de Cima e PRODECO – Progresso e Desenvolvimento de Covões.

A sessão de abertura contou com a presença do Presidente do Conselho Local de Acção Social de Cantanhede e Vereador do Pelouro da Acção Social e Solidariedade da CMC, Pedro Cardoso, que sublinhou a pertinência do tema, ressalvando “a sua importância face ao novo período de programação dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) 2014-2020, que acarreta um conjunto de novidades e exigências em que a metodologia de projecto assume uma relevância crescente”.

Com o desenvolvimento destes fóruns pretende-se promover a participação das instituições de modo a potenciar práticas e saberes, reflexão, discussão, bem como motivar as entidades a encontrarem estratégias que lhes permitam, por um lado, ultrapassar obstáculos e, por outro, tornar sustentável a sua actividade, veiculando sempre o bem-estar dos destinatários da sua acção/missão.