Município de Cantanhede esteve representado no recital “in memorian” de António Fragoso

Uma comitiva do Município de Cantanhede foi à Assembleia da República, no passado dia 5 de dezembro, assistir ao recital de piano “In memoriam” de António Fragoso. Foi o encerramento do programa de acções levadas a cabo durante um ano para assinalar o centenário da morte do compositor nascido a 17 de Junho de 1897, na Pocariça, onde viria a falecer precocemente aos 21 anos, a 13 de Outubro de 1918, vitimado pela gripe pneumónica. O pianista Manuel Araújo interpretou “Nocturno em Ré bemol maior”, “Nocturno em Si bemol menor”, “Sete Prelúdios” e Sonata em Mi” perante a numerosa assistência que se concentrou na Sala do Senado, na qual se encontravam deputados eleitos pelo círculo de Coimbra.
A iniciativa de fazer representar a autarquia no evento partiu da presidente da Câmara Municipal, Helena Teodósio, que ,nesse sentido, convidou os presidentes de Junta de Freguesia e os representantes das forças políticas com assento na Assembleia Municipal, designadamente do PSD, PS e CDU. Segundo a autarca, “trata-se de partilhar uma valiosa experiência cultural no âmbito da justa homenagem a António Fragoso e à sua obra na Assembleia da República, o que, naturalmente, desperta em todos os agentes políticos do concelho de Cantanhede um forte sentimento de regozijo. Independentemente das naturais e salutares diferenças partidárias, a cultura serve, acima se tudo, para unir, e eu sinto que foi precisamente com esse espírito que todos participaram nesta acção promovida pela Câmara Municipal”, sublinhou Helena Teodósio.
O deputado José Manuel Pureza interveio em representação da Assembleia da República afirmando que “faz sentido evocar a obra de António Fragoso nesta que é a casa da democracia e que é também, por isso mesmo, uma casa de cultura”, e a deputada Margarida Mano fez o enquadramento do recital, lembrando a propósito o voto de louvor que o parlamento português atribuiu, por unanimidade, à Associação António Fragoso, a reconhecer o valor inestimável da sua actividade na preservação e divulgação da obra do compositor.
Por seu lado, Eduardo Fragoso, sobrinho de António Fragoso e presidente da associação, destacou a importância do recital na Assembleia da República como “o culminar de 100 eventos organizados no âmbito do centenário da morte do compositor, entre os quais 40 espectáculos um pouco por todo o País, os quais constituíram, sem dúvida, uma marcante manifestação cultural. António Fragoso está bem através da sua música e dos seus escritos, é uma figura incontornável da cultura portuguesa”.
Antes do recital, a comitiva do Município de Cantanhede havia cumprido um programa cultural que contemplou visitas ao Museu do Dinheiro, ao Palácio de S. Bento e às galerias da Assembleia da República, tendo o almoço decorrido em ambiente de confraternização na Casa de Penacova em Lisboa.