Município de Cantanhede contratualizou financiamento comunitário para a EB 2,3 Marquês de Marialva

O Município de Cantanhede acaba de contratualizar o financiamento comunitário para a requalificação da Escola Básica 2,3 Marquês de Marialva. O investimento terá uma comparticipação de 700 mil euros da União Europeia.

Apesar de se tratar de um estabelecimento de ensino que é propriedade da Administração Central, e por isso da responsabilidade do Ministério da Educação, a Câmara Municipal decidiu viabilizar a realização da obra, ao elegê-la para financiamento no quadro do Pacto de Desenvolvimento e Coesão Territorial da CIM – Região de Coimbra e aceitando assumir 50% da comparticipação nacional da responsabilidade do Governo, que assim vai pagar apenas 61.764 euros do investimento total.

De resto, o executivo camarário tem vindo a diligenciar insistentemente há vários anos no sentido de conseguir a requalificação da Escola Básica 2,3 Marquês de Marialva e da Escola Secundária de Cantanhede, de modo a ser criado um grande campus educativo, devidamente qualificado ao nível das instalações e com todos os graus de ensino integrados, incluindo o recentemente inaugurado Centro Escolar de Cantanhede.

Até agora apenas foi possível contratualizar a comparticipação comunitária para uma intervenção na Escola Básica 2,3 Marquês de Marialva, o que aconteceu no dia 28 de Setembro, em Castelo Branco, com a assinatura do respetivo contrato pelo presidente da autarquia, João Moura, e pelo Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

O Município de Cantanhede “tem vindo a apostar fortemente no sector da Educação, o que se tem traduzido na valorização das infraestruturas e equipamentos dos níveis de ensino que estão na sua esfera de competências, designadamente o Pré-Escolar e o 1.º CEB”, refere a CMC em comunicado. Nesse âmbito, acrescenta, “investiu cerca de seis milhões de euros na construção dos novos Centros Escolares de Ançã, Cadima e Cantanhede, estando entretanto em fase de concurso a requalificação da EB1 Cantanhede Sul, empreitada que deverá rondar um milhão de euros”.