Leslie: a tempestade devastadora (com fotogaleria)

A tempestade Leslie chegou em força no passado sábado, dia 13 de Outubro. Depois de previsões que indicavam que teria mais força para sul, eis que a sua rota alterou e foi mesmo no distrito de Coimbra o que se fez sentir mais, com a Leslie a “entrar” no continente precisamente pela Figueira da Foz.

 

No período da tarde de sábado já eram muitos os avisos para que as pessoas recolhessem a casa a partir das 19h00, hora em que era previsto a intensidade da tempestade aumentar, com rajadas de vento que chegaram aos 170 km/h e muita chuva. E assim foi. Já passava das 22h00 quando os ventos começaram a soprar forte, gerando pânico em muitas pessoas, que mesmo em casa sentiram a força da tempestade que levou ao registo de quase 2 mil ocorrências.

O resultado foram alguns feridos ligeiros, cerca de seis dezenas de alojados e muitos, muitos estragos. Segundo Carlos Luís Tavares, comandante operacional distrital da Protecção Civil, a tempestade Leslie provocou estragos mais visíveis no Centro Litoral, nomeadamente na Figueira da Foz, Montemor-o-Velho, Coimbra, Soure e Condeixa, locais onde se registaram “dezenas de desalojados” e “uma grande destruição dos telhados de casas”.

Cantanhede e Mira também não escaparam à fúria da Leslie, e pelos dois concelhos, são dezenas as árvores (algumas de grande porte) partidas e nalguns casos até arrancadas pela raiz. Telhas partidas pelo chão mostram que muitos dos telhados ficaram destruídos e nem os postes de electricidade escaparam à Leslie.

O AuriNegra passou ainda durante a madrugada de sábado pelos dois concelhos e eram poucas as vias onde não estavam árvores caídas, fios de electricidade pelo chão, placas de sinalização rodoviária vergadas ou caixotes do lixo derrubados. Quem permaneceu em casa durante a tempestade, disse que o momento foi assustador. “As portas e janelas abriam com a força do vento, a minha esplanada voou toda, não sei onde foram parar as coisas”, refere Ana, residente em Cantanhede e que não ganhou para o susto.

Durante o dia de domingo foram vários os locais sem electricidade e totalmente incontactáveis. Entretanto, já começaram a retomar as comunicações móveis da rede Meo, embora ainda haja localidades sem luz e sem rede.