Jovens com Diabetes em Actividades Radicais na Tocha

Entre 7 e 13 de Julho irá realizar-se mais uma edição da Colónia de Férias de Verão organizada pela Associação de Jovens Diabéticos de Portugal (AJDP). A iniciativa vai levar 25 jovens com diabetes, com idades compreendidas entre os 10 e os 17 anos, até à Quinta da Fonte Quente, na Tocha, com o objectivo de aprenderem a lidar com a doença através da prática desportiva e da partilha de experiências com outros jovens na mesma condição.

“A Quinta da Fonte Quente, localizada no litoral-centro, é um local privilegiado para promover a integração e a partilha entre jovens, onde a natureza envolvente potencia a prática desportiva e a partilha de experiências inesquecíveis, daí ter sido o sítio escolhido pela AJDP para realizar a sua Colónia de Férias de Verão”, explica Paula Klose, presidente da AJDP.

“O objectivo é juntar um grupo de jovens com diabetes tipo 1 que irão aprender mais sobre como controlar a glicémia através da troca de experiências e de actividades desportivas, sempre acompanhados por monitores e equipa médica, alguns deles com diabetes e outros que escolhem participar na colónia como forma de ajudar e aprender um pouco mais sobre como lidar com jovens com diabetes”, refere Carlos Neves, responsável pela organização da Colónia de Férias.

Este ano, a colónia contará com a participação de 25 participantes, entre os 10 e os 17 anos, que podem contar com diversas actividades desportivas tais como escalada, rappel, surf, caminhada e jogos em equipa, mas também com momentos de conversa para que cada um possa expressar os seus receios e as suas vitórias em relação à diabetes com pessoas que também estão na mesma condição.

Tal como em anos anteriores, a AJDP irá receber nesta Colónia de Férias jovens de famílias mais carenciadas, que irão participar gratuitamente. “Pretendemos promover a aceitação da diabetes, melhorar o controlo metabólico e a independência de cada um destes jovens. Este tipo de iniciativas deverá ser acessível a todos.”, salienta Paula Klose. “Gosto de dizer que existe um “antes da Colónia e um depois”, uma vez que o que os participantes aprendem durante esta semana traz grandes mudanças à maneira como lidam com a doença”, refere a presidente da AJDP.

“Cerca de metade dos participantes é repetente. Ao integrar jovens que já participaram em outros campos de férias com os que vêm pela primeira vez, conseguimos promover a troca de experiências de forma natural. Assim, os mais experientes têm o prazer de ajudar os mais novos a tornar-se mais independentes”, conclui Carlos Neves.