José Xavier em Febres para falar de pinguins e do ambiente

No passado dia 11 de Maio, o biólogo marinho José Xavier visitou a Escola Básica de Febres. O investigador já é uma visita frequente à vila gandaresa, onde, como referiu ao AuriNegra, é “sempre muito bem recebido”.

Desta vez, José Xavier veio falar da sua mais recente experiência na Antárctida, de onde regressou em Março depois de uma estadia de mês e meio. Com um discurso adaptado aos mais pequenos, o investigador começou por ex- plicar o que é ser cientista e o trabalho que tem desenvolvido, não sem antes referir as várias etapas por que passou durante a sua formação académica, incitando os petizes a investir nos estudos.

“Não espero que todos queiram ser biólogos marinhos, mas quero que todos ‘dêem o litro’ na escola para poderem ser bons profissionais e se sentirem realizados naquilo que escolherem ”, afirmou.Done_Pag9_Sociedade_José Xavier_bandeira GS

Para José Xavier este tipo de actividades é muito importante, quer para os alunos, quer para os investigadores: “Se por um lado damos a conhecer o nosso trabalho e aproximamo-nos da comunidade, por outro, obriga-nos a melhorar consideravelmente a nossa capacidade de comunicação, pois temos que lidar com um público mais específico”.

Ao AuriNegra, o investigador referiu que “muita da ciência que é feita nas universidades não chega às escolas. Aqui o objectivo é inspirar as novas gerações, explicando-lhes alguns conceitos mais básicos e levando-os a pensar”.

Depois de uma pausa para lanche e para dar alguns autógrafos aos alunos menos envergonhados, o cientista continuou a sua intervenção, explicando de forma sucinta a razão do aquecimento global e das alterações climáticas.

Os pinguins, animal muito querido para os mais pequenos, não foram esquecidos. Entre sorrisos e várias questões, José Xavier foi falando da sua vasta experiência e projectando fotografias tiradas na Antárctida. No final, mostrou ainda algumas penas de pinguim, que trouxe de recordação do Pólo Sul e que fez questão de trazer a Febres.

A visita do conceituado investigador aconteceu no âmbito do projecto Eco Escolas, que pretende colocar alunos de todas as idades a estarem mais atentos e sensíveis às questões relacionadas com a protecção ambiental e a promoção da mobilidade sustentável.

Sobre José Xavier

Doutorado pela Universidade de Cambridge, José Xavier é, actualmente, investigador do Instituto do Mar da Universidade de Coimbra e da British Antarctic Survey (Cambridge), colaborando com investiga- dores de mais de dez países. O cientista polar é o representante de Portugal nas reuniões do Tratado da Antárctida e em vários comités da Scientific Committee for Antarctic Research (SCAR), além de fazer parte do comité executivo de vários programas científicos internacionais.

O seu trabalho centra-se, essencialmente, no estudo do comportamento de predadores de topo (pinguins, albatrozes e focas) no Oceano Antárctico em relação às alterações climáticas, fazendo investigação na Antárctida desde 1997. Coordenador de projectos educativos desde 2007, foi um dos vencedores da competição de ensaios sobre ciência da reputada revista New Scientist e da fundação Britânica Wellcome Trust, sendo o mais jovem investigador a ganhar o prémio internacional Marta T. Muse pelo seu trabalho de excelência em ciência e política na Antárctida.

Gira Sol representada na Antárctida 

Bandeira GIra SOl

Durante a visita a Febres, no dia 11 de Maio, o cientista polar José Xavier trouxe uma surpresa para o jardim-de-infância da Gira Sol. Uma bandeira, pintada pelas crianças que frequentavam a escola da Associação de Desenvolvimento de Febres há quatro anos, que o cientista levou para as terras lon- gínquas da Antártida numa das suas missões anteriores.

 

Autor: Carolina Leitã0