João Reis oferece livro a associações

Promover uma “economia do ócio”. Foi com este mote que o escritor João da Encarnação Reis procedeu, no dia 25 de Outubro, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, à entrega da sua última obra “Sobre a terra, sob o céu” a duas associações concelhias: a dos Bombeiros Voluntários de Cantanhede e a Gira Sol. A oferta estendeu-se ainda aos serviços culturais da Câmara Municipal de Cantanhede.

João da Encarnação Reis nasceu em Cantanhede, vive na Figueira da Foz, e é apaixonado pela escrita, que, como referiu ao AuriNegra, “é uma das suas formas preferidas de traduzir aquilo que sente e pensa”.

Com várias obras publicadas, a sua mais recente é “Sobre a terra, sob o céu”; que junta quase três centenas de pequenos textos, na sua maioria em verso.

A ideia de oferecer os livros a estas associações partiu do respeito que tem pelo trabalho desenvolvido pelos Bombeiros, principalmente numa altura em que a região se viu tão afectada pelas chamas, e à Gira Sol, com a qual já colaborou através da doação de outros livros.

“Cada vez mais é importante dar. O acto de dar é valioso. E eu sou daquelas pessoas que prefere promover a economia do ócio e do dom – do ponto de vista de doar – do que uma economia de negócio”, afirmou, frisando que este é um livro “para ler e reler”.

“Estes textos foram sendo publicados ao longo dos últimos anos num blogue e agora decidi passá-los para papel”, explicou na sessão de entrega dos livros, aproveitando para agradecer o acolhimento prestado pela CMC a esta iniciativa.

Embora cada texto tenha um sentido próprio, o autor refere que a ideia central passa pela “distinção daquilo que somos em relação aos outros animais, mas também pela indistinção que gostaríamos de ter”.

“Podem esperar um livro que mais do que respostas faz perguntas. Um homem com muitas perguntas é mais humano que um homem com muitas certezas”, frisou, caracterizando a obra como “um livro de prazer de pensar, de autoconhecimento, de intervenção sociopolítica e religiosa, de humanismo, de autoestima e de ajuda, de espiritualidade e ainda produtor da economia do dom”.

Presentes na entrega das obras estiveram representantes da AHBVC; da Gira Sol e da Biblioteca Municipal de Cantanhede assim como Pedro Cardoso, vice-presidente da CMC, que parabenizou o autor “primeiro, pela dádiva de partilhar connosco as suas reflexões e, em segundo lugar, pela oferta às associações mas também aos Serviços Culturais da Câmara. É bom podermos fazer com que esta obra chegue a um dos espaços mais importantes a nível cultural, neste caso a Biblioteca Municipal”.

“Esta distinção entre negócio e ócio também é muito importante. Nos dias de hoje, faz cada vez mais falta ao mundo contemporâneo esse ócio fecundo, produtivo. É bom ter pessoas que investem nessa capacidade de pensar, de criticar e de partilhar”, frisou.