Jardim da Sereia recebe espectáculo de Vera Mantero e de Rui Chafes

A coreógrafa Vera Mantero e o escultor Rui Chafes apresentam, no dia 25 de Maio, a performance “Comer o Coração nas Árvores”, que vai decorrer no Jardim da Sereia, em Coimbra.

O evento performativo é uma recriação da obra dos dois artistas que representou Portugal na Bienal de São Paulo, em 2004, “Comer o Coração”, contando com uma “cadeira-escultura” de Rui Chafes.

A performance, inserida numa residência de três dias de Vera Mantero em Coimbra, vai ter lugar pelas 18h00, no Jardim da Sereia, “ao lado” do maior parque escultórico de ferro de Rui Chafes, inaugurado em 2011, mas instalado em 2004.

Este será um “grande evento público, gratuito, que faz um triângulo entre as artes plásticas, escultura e intervenção performativa”, ligando a arte à ecologia e à sustentabilidade – tema presente na obra de Vera Mantero –, sublinhou o director do Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV), Fernando Matos de Oliveira.

Para além deste evento, haverá ainda uma conversa com os dois artistas no Círculo de Artes Plásticas de Coimbra, no dia 24, e a apresentação do espectáculo “Os Serrenhos do Caldeirão”, a 26, no TAGV.

“É um projecto marcante” de Vera Mantero, que nasce de uma residência na Serra do Caldeirão, no Algarve, sendo que a coreógrafa e bailarina procurou registar e retratar os serrenhos dessa região, contou Fernando Matos de Oliveira.

De acordo com o responsável, este é um trabalho que parte de “uma experiência de observação etnográfica, respeitando a autenticidade do observado”, que a coreógrafa apelida de “antropologia criativa”.

Também no TAGV, arranca esta segunda-feira (dia 8 de Maio) o Ciclo Grande de Cinema Russo – Do Mudo à Perestroika, “uma antologia crítica do cinema russo”, que aborda cineastas da primeira metade do século XX e da década de 1960, onde serão exibidos “filmes fundamentais da cinematografia mundial”, como “Ivan, O Terrível”, de Serguei Eisenstein, ou “O Homem da Câmara de Filmar”, de Dziga Vertov, frisou Fernando Matos de Oliveira.

Segundo o director do TAGV, vão ser exibidos 12 filmes, entre hoje e 18 de julho, à segunda-feira, normalmente em sessões duplas, a decorrer às 18h30 e às 21h00.