Hidroponia: “agricultura do futuro” estreia-se em Angola com projecto da Litoral Regas

Com casos de sucesso em vários países, a hidroponia é uma técnica de cultivo de plantas através da água e sem recurso ao solo que agora se estreia em Angola.

A estreia desta solução vai ser efectuada pelas mãos da Hidrobem, empresa criada pelos investidores com o objectivo de operacionalizar no mercado interno todo o processo de criação e execução da prática do negócio.

Como parceiro para a implementação técnica, a Hidrobem escolheu a empresa Litoral Regas, sediada em Mira, que ficou responsável pela criação dos tubos de NFT, estufas, sistema de canais para cultivo em saco, passado pela filtragem, pelo controlo climático e até à solução integrada de fertirrega com uma nova gama de máquinas.

Os principais objectivos da “Hidrobem”, para a implementação do primeiro Polo de Hidroponia de Angola, passam pela contribuição para o fomento do agro-negócio bem como pela diminuição da importação de produtos agrícolas.

A escolha do sistema não se prende exclusivamente por ser um sucesso internacional, mas teve sobretudo em conta um estudo de mercado realizado ao sector agrícola angolano. Deste modo, a hidroponia poderá colmatar uma boa parte dos riscos de um investimento agrícola, pois, com pequenas unidades de exploração e sem elevados requisitos de know-how, é possível a produção de quantidades consideráveis de um produto de alta qualidade/durabilidade, numa relação de proximidade com o cliente.

Outra das vantagens é a produção junto dos grandes centros urbanos e a não dependência do solo para a mesma. A hidroponia permite ainda produzir um produto com mais qualidade e sem pesticidas, porque cresce num ambiente controlado, o que reduz drasticamente a exposição às pragas e doenças.

Graças às enormes vantagens da hidroponia e do cultivo protegido é ainda possível escolher o tipo de produção independentemente da altura do ano, já que as condições climatéricas não são influência directa.

Milhões investidos

Este primeiro Polo de Hidroponia em Angola nasce após um investimento de 160 milhões de kwanzas. A primeira fase do investimento foi implantada numa propriedade de dois hectares, com uma exploração de 2000 metros quadrados de estufas.

Até ao final de 2017 a empresa pretende avançar com a segunda fase, expandindo o projecto para um hectare de exploração, para além de um centro de formação e de uma agro-indústria de processamento.

A “Hidrodem” nasce de uma parceria entre o investidor Cremildo Paca com investidores portugueses do grupo “Kibabo”. No arranque da exploração, a “Hidrobem” já está a produzir tomate, alface, salsa, manjericão, camomila, coentros, hortelã, agrião e cebolinho. Seguir-se-ão rúcula, poejo, orégãos, pimento, pepino, entre outros alimentos.