Freguesia da Praia de Mira escolhida para inquérito teste dos Censos 2021

A freguesia da Praia de Mira foi escolhida para ser uma das únicas cinco freguesias do país a participar no inquérito teste ao Censos a realizar em 2016.

De acordo com uma nota enviada ao AuriNegra, “esta é uma escolha de extrema importância para a freguesia da Praia de Mira e que muito poderá contribuir para uma melhor análise do seu território”.

Segundo o executivo da Junta de Freguesia “este teste vai dar hipótese de identificar mais correctamente todos os indicadores da freguesia. Os Censos produzem informação essencial para o desenvolvimento económico e social, constituindo-se como instrumentos fundamentais para um melhor planeamento dos serviços e definição de políticas, nas mais variadas áreas. Este é um desafio que revela inovação e que a Junta de Freguesia da Praia de Mira aceita de bom grado”.

Os Recenseamentos da População e da Habitação – CENSOS – são as maiores operações estatísticas realizadas em qualquer país do mundo e destinam-se a obter informação sobre toda a população residente, as famílias e o parque habitacional.

Na maioria dos países, e de acordo com as normas internacionais, os Censos realizam-se de 10 em 10 anos, nos anos terminados em 0 ou 1. Em Portugal, os próximos terão lugar em 2021. No caso da Praia de Mira esta data é antecipada por este inquérito teste – Censos 2016.

Relativamente ao inquérito existem algumas datas a ter em conta, tais como:

19 a 26 de Setembro – a população residente receberá uma carta do INE com os códigos para responder pela Internet;

26 de Setembro a 30 de Outubro – resposta pela Internet em www.censosteste2016.ine.pt

31 de Outubro a 13 de Novembro – resposta exclusivamente em papel (a população deve aguardar a visita do recenseador)

Durante todo este tempo, os praiamirenses podem tirar qualquer dúvida através da linha de apoio ou dirigir-se à Junta de Freguesia da Praia de Mira.

A resposta ao inquérito é obrigatória e está protegida pelo segredo estatístico e profissional, pelo que os dados individuais fornecidos ao INE assumem natureza confidencial, não podendo ser cedidos ou divulgados a terceiros, destinando-se a ser utilizados exclusivamente para fins estatísticos (artigos 4º e 6º da Lei nº 22/2008, de 13 de maio e nº 5 do artigo 4º do Decreto-Lei nº 136/2012, de 2 de julho). O INE assegura as medidas tecnológicas e organizacionais apropriadas para proteger a confidencialidade dos dados individuais que recolhe.