Festival Pica no Chão: semana de cultura e festa em Febres

A partir de amanhã (sexta-feira, dia 1) e até 3 de Setembro a vila de Febres está em modo festa com a Mostra Gastronómica e Cultural – Festival “Pica no Chão”, uma iniciativa organizada pela Junta de Freguesia, com o apoio da Câmara Municipal de Cantanhede e das várias associações locais.

Durante três dias serão vários os motivos para visitar a vila gandaresa que, nesta edição da Semana Cultural, se centra essencialmente no frango, preparado das mais diversas formas. No entanto, para além da gastronomia, o Festival Pica no Chão oferece vários momentos culturais e também desportivos.

Deste modo, amanhã (sexta-feira), o arranque do certame fica marcado com a abertura das tasquinhas e das exposições de artesanato, a partir das 19h00. Pelas 21h00, sobe ao palco a “prata da casa”, através das Pequenas Vozes de Febres. A noite continua com um concerto do cantor popular Amadeu Mota, seguido dos DJ’s Drop2Beats.

No sábado, dia 2, a animação prolonga-se pela noite fora. A partir das 20h30, entram em palco os Ama Folk. Seguem-se os One Grupo, pelas 23h00 e, a partir da 01h00, o DJ Pedro Franco.

Já no domingo, 3 de Setembro e último dia deste Pica no Chão, tem lugar, a partir das 16h00, a Feira do Cavalito na Praça Florindo José Frota, na qual participam algumas boleiras da freguesia. Em simultâneo, haverá insufláveis para os mais pequenos.

Às 17h00, a dança toma conta da praça febreense, primeiro com uma aula de zumba, dinamizada pela instrutora Xana Nora, e depois com uma demonstração de Karatedo.

Para a noite está ainda reservado o concerto do grupo Viriatus e, mais tarde, do duo Ritual Dueça.

Segundo o Presidente da Junta de Freguesia de Febres, Carlos Alves, “durante as três noites, espera-se, neste Festival “Pica no Chão” iguarias, com certeza, deliciosas, onde o frango é rei. Como de costume, não vai faltar animação, com destaque para bandas de música popular onde as pessoas podem dar um ‘pezinho de dança’”.

As expectativas, refere, são as melhores, “pois para além de reflectir o bairrismo e a união associativa da Freguesia, este Festival poderá transformar-se num evento gastronómico autêntico e fiel na divulgação da freguesia, uma vez que o frango de churrasco e o arroz de cabidela são iguarias com créditos firmados na gastronomia local”.