Febres SC – Vinha da Rainha com emoção até ao fim [crónica]

A “febre da taça” atingiu o complexo desportivo de Febres na passada sexta-feira, 25 de Março. Os aurinegros recebiam o Vinha da Rainha naquela que era a terceira meia-final consecutiva e onde procuravam atingir o sucesso alcançado na época 2013-2014, em que conquistaram o troféu.

Fora das quatro linhas, os adeptos responderam positivamente à chamada e o ambiente era de festa. Grande manifestação que os febreenses prestaram à sua equipa. Estava bonito o colorido nas bancadas.

As duas equipas apresentavam-se bastante concentradas, não deixando muito espaço para as manobras ofensivas habituais.

Numa primeira parte bem disputada taticamente, foi dos pés do jovem avançado João André que o Febres apresentou maior perigo – no entanto insuficiente para desfazer o nulo ao intervalo.

No segundo tempo, o Febres deteve sempre maior posse de bola, procurando tomar a iniciativa do jogo e, empolgado pela claque dourada, mostrava claramente sinais de domínio. Porém, do outro lado encontrava-se uma equipa do Vinha da Rainha bastante concentrada defensivamente, arriscando apenas nas investidas de contra ataque.

Segunda parte algo idêntica à primeira, sem grandes oportunidades de golo para ambos os lados. O prolongamento era cada vez mais previsível – e veio a acontecer.

Nos primeiros 15 minutos, pertenceu a Chano a oportunidade de adiantar o Febres SC no marcador, naquela que seria a melhor situação de golo de toda a partida. A equipa de Patrício Duarte mostrava estar bem neste tempo extra, e foi já na segunda etapa regulamentar que João André marca o tão ambicionado golo, na sequência de um pontapé de canto.

Explodia a festa nas bancadas e o caminho da final estava ali tão perto. A desilusão total chegou quando o relógio marcava 120 minutos e o empate surge. No último lance da partida, e com todos os elementos dentro da grande área, o Vinha da Rainha consegue marcar e adiar a decisão para as grandes penalidades.

Na batalha dos 11 metros, foi Quaresma quem saiu vencedor. O guarda-redes visitante comprovou a sua especialidade e defendeu o último e decisivo penalti, deixando assim o Febres fora da final.

Chegava ao fim mais uma bonita campanha do Febres na Taça AFC, concentrando-se agora em exclusivo nos jogos do campeonato.

Autor: Julien dos Prazeres