Faleceu o escritor Idalécio Cação

O escritor Idalécio Cação, de 88 anos, faleceu ontem (quarta-feira, dia 28 de Dezembro de 2016) em Aveiro, realizando-se o seu funeral amanhã (sexta-feira, dia 30 de Dezembro), para o cemitério de Ribas, freguesia de Moinhos da Gândara (Figueira da Foz). Autor de diversos livros (contos, crónicas e poesia) e distinguido com diversos prémios, a sua obra literária focava, sobretudo, a Região da Gândara.

No passado mês de Setembro tinha sido homenageado por dezenas de amigos, alguns dos quais escritores

Idalécio Silva Cação nasceu a 22 de Março de 1933 no lugar de Lafrana, freguesia de Alhadas, concelho da Figueira da Foz (aldeia que pertence actualmente à freguesia de Moinhos da Gândara).

Fez os estudos secundários na Escola Comercial e Industrial da Figueira da Foz (hoje Escola Bernardino Machado), onde concluiu o Curso Geral de Comércio. Depois, enquanto não conseguiu emprego, trabalhou nas courelas das areias da Gândara e também nos arrozais da Quinta de Foja onde os pais aí cultivavam uma terra arrendada.

Com 21 anos empregou-se numa empresa do concelho de Aveiro, região onde viria a fixar-se e a constituir família.

Mais tarde, em 1977, viria a licenciar-se em Filologia Românica pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

Fez teatro amador no Círculo Experimental de Teatro de Aveiro e foi seu dirigente em vários mandatos. Por essa altura, militava na oposição democrática, tendo feito parte da Comissão  Administrativa da Câmara Municipal (Pelouro da Cultura), aquando do 25 de Abril. Logo após esta data, foi co-fundador do semanário aveirense Libertação, e membro da sua redacção. Aqui trabalhou com Álvaro de Seiça Neves, João Sarabando, Fernando Lavrador e Flávio Sardo, entre outros. Enquanto professor, pertenceu à Direcção do Sindicato dos Professores da Região Centro, de que faziam parte, entre outros, Linhares de Castro e Mário Nogueira, actualmente Presidente da Fenprof.

Para além dos livros que publicou, colaborou nos suplementos literários do extinto Diário Popular e do Jornal de Notícias, nas revistas Vértice (Coimbra) e Seara Nova, A Xanela (Galiza), Cadernos de Literatura (Universidade de Coimbra), Encontro (Brasil),  Gandarena (Mira), Letras & Letras (Porto), Mar Alto (Figueira  da Foz), Revista da Universidade de Aveiro, Sol XXI  e muitas outras publicações, entre elas O Professor.

Foi um dos entusiastas dos serões literários que, nos anos 90, se realizaram um pouco por todo o País. Já nos anos 60 tinha estado ligado aos Encontros das Páginas Literárias dos jornais das províncias, que se realizaram na Figueira da Foz, em Torres Vedras, em Guimarães e em Cascais, (o qual não se chegou a realizar por intervenção da polícia política PIDE). Neles tomaram parte como convidados Armando de Castro, Mário Sacramento, Arsénio Mota, Mário Braga, Nuno Teixeira Neves e João Palma Ferreira.

 

 Livros publicados                                                                                                                                                              

 

Nas Fronteiras do Tédio (poesia) – 1961;

As Evidências e o Prisma  poesia) – (1963;

Raízes na Areia (contos) – 1968;

Os Sítios Nossos Conhecidos (crónica romanceada) – 1990;

Daqui Ouve-se o Mar (contos) – 1991 (Prémio Literário Miguel Torga);

Gândara Antiga (apontamentos etnográficos) – 1997;

O Chão e a Voz (contos) – 1998;

Sobre a Gândara e a Casa Gandaresa (algumas achegas) – 1999;

Glossário de Termos Gandareses (lexicografia) – 2002;

Memória de João Garcia Bacelar (romance) – 2005 (Prémio Tomaz de Figueiredo, do Lions Club de Braga;

Crónicas Gandaresas – 2006;

Do Alto destas Ameias (romance) – 2008 (Menção Honrosa do Prémio Literário Afonso Duarte, da Câmara  Municipal de Montemor-o-Velho.

 

Publicados em antologias

 

Poesia 71, Selecção de Fiama Hasse Pais Brandão e Egipto Gonçalves, 1972; Editorial Inova, Porto;

Coisas para Contar, Selecção de Mariana Cruz, 1981; Porto;

Contos Premiados, 1983 (Menção Honrosa) – Prémio Joaquim Namorado; Cadernos Municipais, Figueira da Foz;

A Emigração na Literatura Portuguesa, 1985 – Organização de A. M Pires Cabral;

Simbólica, 1994 – Organização de Maria Antónia Jardim; Ateneu Comercial do Porto;

Contos Premiados, 1995 ( 1º Prémio)– Prémio Joaquim Namorado; Cadernos Municipais, Figueira da Foz;

Cântico em Honra de Miguel Torga, 1996 – Fora do Texto, Coimbra

Federico Garcia Lorca , Homenagem dos Poetas Portugueses, 1998,  Universitária Editora, Ldª;

Caminhando pela Rota de Carlos de Oliveira, 2002 – Comissão de Coordenação da R. Centro;

Leiamos, 2006 – Editorial Escritor, Ldª.

 

Livros para publicação

Poemas da Gaveta – inédito;

Cantos da Terra Chã (contos inéditos – Menção Honrosa do Prémio Alves Redol 2013);

Lele e Meio (novela inédita);

O Cerco (romance inédito).