Exposição Bravos do Mar na Biblioteca Municipal de Cantanhede

Está patente ao público, até ao final do mês de Outubro, na Biblioteca Municipal de Cantanhede, a exposição de fotografias Bravos do Mar, de José Carlos Teixeira.

A mostra é constituída por 15 registos fotográficos a preto e branco, captados pelo autor e fotógrafo amador na localidade da Afurada, povoação pela qual o artista assume uma estreita ligação afectiva, que revelam pormenores únicos e de manifesto interesse cultural

As fotografias retratando essencialmente rostos de pescadores no exercício da sua árdua profissão, sempre acompanhadas por pequenos trechos de autoria do fotógrafo.

 

Sobre José Carlos Teixeira

José Carlos Teixeira nasceu na Póvoa de Varzim, em 1985.

Reside em Vila do Conde, faz fotografia por paixão e diversão e ao longo dos anos foi descobrindo os segredos da fotografia. A pesquisa e aprendizagem de novas técnicas fotográficas têm acompanhado o seu percurso, tornando-se essenciais para o trabalho que realiza.

A sua linha de trabalho na área da fotografia é voltada essencialmente para os registos fotográficos de rua, sendo, por isso, conhecido como retratista de rua, encontrando uma forma de mostrar as ideologias e perspetivas de tudo o que o rodeia é a observar e a fotografar.

O trabalho de José Carlos Teixeira tem sido amplamente divulgado nas redes sociais, sites de fotografia e exposições individuais, que tem realizado um pouco por todos o lado. Alguns dos seus trabalhos foram selecionados por revistas fotográficas nacionais, tais como a National Geographic (Portugal).

 

Sobre a Exposição

Através da exposição Bravos do Mar, o fotógrafo amador José Carlos Teixeira transmite-nos as vivências e as histórias de antigos pescadores da Afurada. Pela leitura dos rostos retratados podemos desvendar as experiências de vida de cada pescador, numa época difícil em que esta profissão era sinónimo de fator económico muito importante para Portugal, como foi o caso da famosa Frota Branca da pesca do bacalhau, na Terra Nova e na Gronelândia.

Cada fotografia é enriquecida por um pequeno texto, que contém um documentário histórico, algumas palavras da pessoa fotografada e entrevistada e onde a mesma dá o seu testemunho pessoal.