Espetáculo da Coimbra Região de Cultura assinalou início do Ciclo de Teatro de Cantanhede

Cerca de 400 pessoas assistiram à abertura do XXI Ciclo de Teatro Amador do Concelho de Cantanhede, que decorreu no Pavilhão Multiusos de Febres, no passado sábado, 19 de Janeiro, com a presença da presidente da Câmara Municipal, Helena Teodósio, e do vice-presidente da autarquia, Pedro Cardoso. O início do certame foi assinalado com a apresentação de “Quando o Homem Lavrava o Mar”, espectáculo de Fernando Mota integrado na programação em rede “Coimbra Região de Cultura”, promovido pela Comunidade Intermunicipal Região de Coimbra. Construída com base num diálogo entre a música, a narrativa poética e imagens sobre a relação do homem com esta viagem ao universo da faina marítima contou com a participação especial das Pequenas Vozes de Febres e da Orquestra Opus 21, da Associação António Fragoso.

Referindo-se ao carácter inovador de “Quando o Homem Lavrava o Mar”, a presidente da Câmara Municipal considerou “particularmente oportuna a sua apresentação na abertura da 21.ª edição do Ciclo de Teatro” e sublinhou “a relevância da programação que tem vindo a ser desenvolvida pela parceria da CIM-RC com o Município de Cantanhede no âmbito da Coimbra Região de Cultura, ao facultar à população do concelho a possibilidade de assistir a espetáculos diversificados de qualidade reconhecida”.

A autarca congratulou-se com “a crescente adesão que o Ciclo de Teatro Amador de Cantanhede tem vindo a registar, este ano consubstanciada na participação de 17 grupos cénicos, num total de mais de 350 pessoas envolvidas, o que reflete bem a dinâmica do movimento associativo nesta actividade que tem uma forte componente pedagógica na formação dos jovens para os valores da cidadania”. Helena Teodósio falou a propósito da experiência que teve no teatro amador, designadamente a participação “nas récitas, espectáculos muito populares na minha juventude e que constituíam sempre um grande acontecimento na comunidade onde cresci. Eram iniciativas muito espontâneas de jovens e menos jovens, que se organizavam para apresentar pequenas peças teatrais e também música em espaços improvisados”.

Segundo a presidente da Câmara Municipal, “essa experiência enriquecedora que vivi permite-me ter agora uma visão mais clara de como o ciclo de teatro é marcante para todos quantos nele participam e também da sua importância para a dinamização e coesão das comunidades locais”.

O Ciclo de Teatro Amador do Concelho de Cantanhede é organizado pela Câmara Municipal para fomentar a revitalização da produção teatral, estimulando as associações a desenvolverem actividade nesta área através de um apoio específico para o efeito. Durante cerca de três meses, todos fins de semana, haverá a apresentação de, pelo menos, uma peça de teatro numa das 10 freguesias onde as colectividades envolvidas no certame exercem a sua intervenção cultural.