Especialistas debatem em Coimbra a Perturbação de Hiperactividade e Défice de Atenção

“PHDA: da criança ao adulto” é o tema do 6.º Simpósio de Perturbação de Hiperactividade e Défice de Atenção, a decorrer nos próximos dias 14 e 15 de Abril, no Auditório do Edifício Central da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), no Polo II. A iniciativa resulta da organização conjunta do Instituto de Investigação Interdisciplinar da Universidade de Coimbra, da Unidade de Hiperactividade do Hospital Pediátrico-CHUC e da Associação Nacional de Intervenção Precoce.

De acordo com Boavida Fernandes, presidente da comissão organizadora e científica do Simpósio, a Perturbação de Hiperactividade e Défice de Atenção (PHDA) “é o problema neurocomportamental mais prevalente na criança de idade escolar, afectando nesta faixa etária 5% a 7% da população. Múltiplos estudos mostram que cerca de 2,5% a 3% de adolescentes e adultos têm PHDA”.

Contrariamente ao que se pensava, “a PHDA não é um distúrbio benigno e pode causar problemas devastadores ao longo da vida. É uma das perturbações neurocomportamentais mais frequentes na criança e adolescente. É um problema crónico que em grande percentagem persiste na vida adulta”, explica o médico.

“Mentes Brilhantes? PHDA e Criatividade”, “Prevalência de PHDA na população prisional de Coimbra” e “PHDA: A utilização das redes sociais na adolescência” são algumas dos trabalhos a apresentar no Simpósio, que este ano conta com a participação de duas referências mundiais na investigação neurológica em PHDA: Francisco Xavier Castellanos, da Universidade de Nova Iorque, e Lily Hechtman, professora de psiquiatria e pediatria na McGill University em Montreal (Canadá) e membro fundador da Canadian ADHD Resource Alliance (CADDRA).

O 6.º Simpósio PHDA conta com o Patrocínio Científico da Ordem dos Médicos e da Sociedade Portuguesa de Pediatria. O programa está disponível em: http://www.simposio-phda.pt/index.php/2015-12-19-18-14-36/programa