Erasmus+ da ETPC traz jovens da Finlândia e da Irlanda a Cantanhede

A Escola Técnico-Profissional de Cantanhede (ETPC) tem procurado desenvolver projectos de parceria, no âmbito do Programa Erasmus+, a fim de proporcionar formação em contexto de trabalho aos seus alunos num país europeu.

Paralelamente, recebe todos os anos alunos provenientes de países estrangeiros, que realizam a sua formação em contexto de trabalho em Cantanhede.

Este ano, em Fevereiro, a ETPC acolheu uma jovem finlandesa que trabalhou com as crianças da Santa Casa da Misericórdia de Cantanhede, sob acompanhamento de uma das educadoras dessa instituição. No mês Março, quatro jovens irlandesas do curso de Administração, provenientes do Galway Institute, desenvolveram algum trabalho em várias instituições da cidade. Estas jovens foram recebidas na Junta de Freguesia de Cantanhede, na Casa da Cultura, na Associação Empresarial de Cantanhede e na própria ETPC, apoiando os serviços administrativos de cada um destes locais.

No mês de Maio, estiveram em Cantanhede dois jovens provenientes da Escola Profissional Tredu, em Tampere, vindo a integrar-se no Centro de Reabilitação de Cantanhede, onde desenvolveram a sua formação em contexto de trabalho, sempre sob a supervisão dos profissionais daquela instituição.

“Os jovens, sobretudo os provenientes da Finlândia, evidenciaram uma enorme capacidade de adaptação à realidade portuguesa, participando em jantares, passeios, no baile de finalistas da escola e até colaborando com a organização do Campeonato do Mundo de Ginástica Aeróbica, realizado nesta cidade, e interagindo com os alunos, funcionários e professores da ETPC, escola onde almoçavam todos os dias”, refere uma nota da escola.

Na mesma nota, o estabelecimento de ensino acrescenta ainda que os últimos dois jovens em mobilidade, Arto Saukkonen e Marilla Lehtimäki (na foto), decidiram ficar em Portugal mais umas semanas, apesar de terem terminado a formação no dia 27 de Maio e de a viagem de avião de regresso ter estado marcada para o passado fim-de-semana.

“Estes jovens, encantados sobretudo pela forma calorosa como foram recebidos desde o primeiro dia, surpreendidos por um povo que apelidaram de ‘genuinamente simpático’ e pela comida e por uma arquitectura cheia de pormenores, prometem defender nos seus países que os portugueses não são preguiçosos, como por vezes ouviram dizer na Finlândia, e voltar, quem sabe, por mais tempo. Para já, têm por objectivo viajar pelo país por mais um tempo, sobretudo para conhecer a beleza natural que Portugal tem para oferecer”, pode ler-se-

No caso dos alunos portugueses também houve um caminho de aprendizagem: “Inicialmente os alunos da ETPC reagiram com estranheza à presença de estudantes nórdicos na escola, mas rapidamente a estranheza se transformou em curiosidade e, logo a seguir, em abertura e grande avidez de contacto regular com os jovens em mobilidade. Os alunos, sobretudo os finlandeses, porque efectivamente evidenciaram maior humildade e vontade de se inserir nas instituições com as quais contactavam diariamente, integraram-se em pleno, quer com os profissionais das instituições que os acolheram, quer com os alunos da ETPC, partilhando com todos momentos de lazer e de descontração. Desta forma, o programa contribuiu de forma determinante para a criação de um sentido de identidade europeia, enquanto promove a abertura a novas abordagens profissionais e educativas e deita por terra ideias preconcebidas acerca dos povos, aproximando-os de forma surpreendente”.