Em Mira aprende-se a patinar

Desde 2013 que os fãs de patins podem colocar em prática a sua paixão no concelho de Mira. Na Associação Desportiva de Mira estão asseguradas as modalidades de Hóquei em Patins e Patinagem Artística, actividades realizadas anteriormente por outras associações e que corriam o risco de serem extintas no concelho.

A patinagem artística é a actividade que conta com mais participantes

Na altura, e neste sentido, um grupo liderado por João Alcaide, actual Secretário da Direcção, decidiu juntar-se, elaborar os estatutos e formar a associação que agora pretende “patinar” cada vez mais longe e aventurar-se também nas competições de skate.

Actualmente a ADM é presidida por Fernando Luís Alcaide e conta, para além dos corpos sociais, com a colaboração de um grande grupo de pessoas, principalmente pais e mães dos atletas, que apoiam na organização e participação dos inúmeros eventos que realizam e participam ao longo de todo o ano.

Mais do que promover o desporto, esta associação tem como missão “contribuir para a formação para a cidadania, para o desenvolvimento de estilos de vida saudáveis e para o desenvolvimento de desporto federado nas camadas jovens”.

Outro objectivo é garantir um conjunto de valores sociais fundamentais, que vão desde o respeito mútuo ao espírito de equipa, passando pelo desenvolvimento do altruísmo, da cooperação e a inclusão e dos mais frágeis/menos aptos.

Em 2019 a Associação Desportiva de Mira conta com 79 atletas (16 nas escolinhas – onde se iniciam nos patins; 54 na patinagem artística e 9 no Hóquei em Patins), dos 3 aos 20 anos e dos concelhos de Mira, Vagos e Cantanhede. Embora sejam desportos, segundo Luís Alcaide, “tanto para meninos como para meninas”, neste momento a associação só conta com atletas do sexo feminino na patinagem artística.

Os treinos acontecem no Pavilhão Municipal de Mira

“Temos em Portugal excelentes patinadores masculinos e femininos, com muito bons resultados a nível Internacional. Admito que ainda poderá haver algum preconceito de que a PA é só para meninas, talvez pela vertente artística, o que é errado já que é um desporto muito completo, que exige muito esforço e dedicação e em que não só as raparigas mas também os rapazes têm excelentes performances e óptimos resultados”, explica.

Na associação é, com efeito, a Patinagem Artística que tem mais aficcionados. Mas afinal que tem de especial este desporto, que atrai tantos jovens? “A PA é um desporto extremamente completo! Quer do ponto de vista do desenvolvimento físico (trabalha toda a musculatura), psico-motor e emocional/psicológico! Para além disso ainda há o facto de a sua prática se desenvolver em registos de competição individual e competição por equipas, permitindo o desenvolvimento de competências tão importantes como a resiliência, a perseverança, o controlo e gestão de emoções, a cooperação e entreajuda, a responsabilidade social”, começa por explicar Luís Alcaide que acrescenta que este é um desporto “com uma beleza própria. Nós não patinamos mas vimos nos praticantes que patinar os ‘liberta’ de determinada maneira. Já o Hóquei em patins é uma modalidade que tem de ser praticada em equipa, claro, mas os fundamentos são muito semelhantes”.

Quem quiser experimentar só necessita de fazer uma pré-inscrição, dirigindo-se ao Pavilhão Municipal de Mira às quartas-feiras, das 18h às 19h, no horário de treino da Escolinha, a associação providencia patins de iniciação.

Os treinos são realizados, além do Pavilhão Municipal de Mira, por vezes, na CERCI Mira ou no pavilhão da Comissão de Melhoramentos do Corticeiro de Cima.

Ao longo de toda  a época desportiva,  o Clube vai tendo várias actividades, desde provas de nível, torneios, festivais, entre outras, o que obriga dirigentes, atletas, treinadores, seccionistas e pais a fazerem umas boas centenas de quilómetros em deslocações por todo o País. No entanto, o ponto alto da época é o Festival de Patinagem Artística. “Um grande momento totalmente direcionado para os nossos atletas, e que é feito por eles e para eles, para que possam divertir-se ao máximo sem estarem a ser alvo de uma avaliação por parte de juízes”. O espectáculo, que acontece habitualmente em Dezembro, envolve “muito esforço e dedicação por parte de todos. Há muito trabalho e muito investimento, mas tem sido um sucesso de ano para ano”. Na última edição, participaram 20 clubes de todo o País, num total de 380 atletas, 23 treinadores e 48 Seccionistas. Durante a gala foram apresentados 33 esquemas e a cerimónia contou ainda com quatro convidados especiais e de renome internacional: o Par Internacional Italiano, Isabella Genchi e Alberto Peruch – Bicampeões Mundiais e Medalha de Bronze de 2018, Carolina Andrade – Atleta Portuguesa de renome internacional, Campeã Europeia e Vice-campeã mundial e Maria Ito – Atleta Japonesa e Campeã Nacional.

Recentemente, e de modo a mostrar o trabalho da associação fora de portas, a ADM estabeleceu um protocolo com a Comissão de Melhoramentos do Corticeiro de Cima, concelho de Cantanhede, onde já foram iniciadas as aulas da Escolinha para os utentes da IPSS, com duas turmas às segundas-feiras. “Esta é uma experiência piloto que esperamos vir a desenvolver com outras Instituições que estejam abertas a desenvolver connosco o desporto em patins, Experimentem!”.