Elza Sardão precisa de ajuda

Elza Sardão é uma jovem de 30 anos, natural do concelho de Cantanhede, cheia de sonhos por realizar mas com uma longa luta pela frente contra um osteossarcoma (cancro nos ossos). Para a ajudar nesta luta foi lançada uma campanha de angariação de fundos que permitirá a Elza ir à Alemanha realizar um tratamento com células dendríticas.

“Antes do cancro eu era uma pessoa feliz! Cheia de sorrisos, sem nada mal resolvido na vida, com uma garra profissional muito grande e com uma vontade enorme de concretizar todos os meus sonhos, sonhos esses que continuam a fazer parte de mim”, começa por explicar no site que construiu propositadamente para se dar a conhecer a si mesma mas também à doença que veio virar a sua vida do avesso.

“No primeiro dia que senti a dor, senti logo que era uma dor demasiado estranha para ser algo simples. Foi uma dor que se manifestou ao acordar e quando me deitei, à noite, já tinha perdido o movimento da perna… A dor era aguda, manifestava-se no joelho e sentia pontadas ao longo da tíbia. Nessa noite, não suportando mais a dor, pedi que me levassem às urgências”, explica, acrescentando que os médicos desvalorizaram a situação.

Episódios como este, partilha, “repetiram-se demasiadas vezes” até que finalmente conseguiu que lhe passassem uma TAC e uma Ressonância Magnética “que revelou uma massa que necessitava de atenção. Pedida a consulta no CHUC, solicitaram uma PET e uma biópsia revelando um osteossarcoma”. Na altura, com 27 anos, fez quimioterapia, passou por vários internamentos e foi buscar forças onde nem sabia que existiam.

“Apesar de inúmeros momentos de sofrimento, sempre acreditei que todo o sofrimento sentido era significado de cura e por isso mesmo sorria”, refere. Depois chegou a fase da cirurgia, onde lhe colocaram uma perna nova, e mais umas quantas sessões de quimioterapia que acabaram por resultar: “Foi a 12 de Outubro de 2016 que recebi a melhor notícia: Fim dos tratamentos”.

Porém, em Fevereiro de 2018, “e apesar de toda a minha motivação e vontade de viver, quis o destino que eu voltasse a reviver a história de 2016”.

O regresso da doença não é fácil, diz Elza: “A doença regressou alojada num pulmão. Voltar a lidar com todas as emoções e perceber que infelizmente não pertenço aos 70% dos casos de cura… é duro! As duas cirurgias a que fui sujeita são extremamente dolorosas e cada vez mais incapacitantes. Cada vez tenho menos pulmão e todos sabem o quão importantes são os nossos pulmões”.

Agora a melhor opção passa por ir à Alemanha realizar o tratamento de células dendríticas – uma estratégia imunoterapêutica que se baseia na capacidade destas células em captar e apresentar agentes estranhos, neste caso, proteínas tumorais, desencadeando uma forte resposta imunogénica contra o tumor.

“Fui aceite na clínica e posso iniciar os tratamentos após a recuperação da cirurgia que fiz! O meu primeiro tratamento na Alemanha e primeira ida à clínica, será de 19 a 29 de Novembro! Para realizar os tratamentos na Alemanha, tenho um orçamento de 14 mil euros só para a realização do primeiro tratamento. Tendo em conta a agressividade do meu tumor, prevê-se que os quatro tratamentos normalmente previstos não sejam suficientes, pelo que preciso de muito mais dinheiro…”

Nesse sentido, Elza lança um apelo. “É muito difícil para mim assumir que preciso de ajuda pública e recorrer a este tipo de apelo… Mas faço-o porque preciso de me tratar rapidamente e infelizmente a minha situação financeira não permite avançar com os tratamentos sem pedir a vossa ajuda! Só sei que Alemanha é uma luz para mim e que quero muito viver! Ajuda-me a viver! Sou jovem e tenho uma vida demasiado boa para desistir dela e/ou para não a continuar a viver!

Deste modo, quem quiser ajudar pode fazê-lo para:

IBAN: PT50 0007 0000 0012 9066 7462 3

NIB: 0007 0000 00129066746 23

Titular da Conta: Elza Sardão

BIC/Endereço SWIFT: BESCPTPL

MB Way, nº 915032808

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *