Do êxito do turismo ao perigo do telemóvel

Termina amanhã (sábado, dia 1 de Outubro), a Semana do Turismo em Portugal, cujo programa se estendeu de Norte a Sul.

O Turismo é uma das áreas essenciais para o nosso País, por ser daquelas que conjuga melhores condições e apresenta maior potencial. A prová-lo está a circunstância de Portugal ter vindo a atrair um número de turistas cada vez maior, num impressionante ritmo de crescimento nos últimos anos.

Assim, 2015 foi considerado como o melhor ano de sempre para o sector, com números surpreendentes: 17,4 milhões de visitantes oriundos dos mais diversos países, representando um crescimento de 8,6 % face a 2014.

Também as dormidas atingiram, no mesmo ano, o número recorde de 48,9 milhões. E quanto aos proveitos da hotelaria, eles aumentaram 13,1 % face ao ano anterior. Pois se esses números eram já bem volumosos, a verdade é que, embora ainda falte um trimestre para terminar o ano, os dados estatísticos conhecidos permitem afirmar que o corrente ano de 2016 vai ser o melhor ano de sempre para o Turismo em Portugal.

E já não é só o Algarve a atrair turistas. Lisboa e o Porto estão entre os destinos preferenciais da Europa.

Também a Região Centro tem vindo a conhecer um aumento muito significativo, a demonstrar a competência e a eficácia do trabalho desenvolvido por Pedro Machado e pela sua equipa.

Em declarações públicas feitas esta semana, o Presidente do Turismo do Centro aludiu aos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), que revelam que entre Janeiro e Julho deste ano a Região teve cerca um milhão e meio de hóspedes – o que representa um crescimento de cerca de 10 % relativamente ao período homó- logo de 2015.

Quanto a receitas, elas superam, só nesta Região, os 117 mihões de euros. Mas o Presidente da Região Turismo do Centro está confiante de que 2017 será um ano ainda melhor, entre outras razões por causa do Centenários das Aparições de Fátima e da visita do Papa Francisco – que deverá deslocar-se a Portugal no dia 13 de Maio para nelas participar.

Para além do mais, como sublinha Pedro Machado, o Centro é, pela sua diversidade, uma espécie de “país dentro do País”, proporcionando aos visitantes, em circuitos de proximidade, as mais variadas e aliciantes experiências. Cabe aos operadores turísticos, aos empresários e às próprias populações, saber aproveitar, de forma adequada, esta invejável riqueza.

*****

A GNR acaba de divulgar uma informação muito preocupante: só este ano já multou mais de 19 mil automobilistas por viajarem sem cinto de segurança; e cerca de 20 mil por estarem a falar ao telemóvel enquanto conduziam.

Ora se este número de multas impressiona, ele indicia algo muito mais alarmante: é enorme o número dos automobilistas que falam ao telemóvel enquanto conduzem.

De facto, a GNR só consegue multar uma pequena percentagem dos prevaricadores, pois não tenho dúvidas em afirmar que a maior parte dos automobilistas não resiste a atender, e até a fazer, chamadas durante a condução.

Uma percentagem significativa dos acidentes de viação que diariamente provocam vítimas é originada pela inevitável distracção de quem fala ao telemóvel. Parece-me óbvio que este flagelo só se resolve quando a educação e o bom senso prevalecerem e os automobilistas se compenetrarem de que falar ao telemóvel enquanto conduzem é uma grave ameaça para eles próprios, mas também para todos os outros que circulam nas nossas estradas.

Autor: Jorge Castilho (Director do AuriNegra)