Dia de Reis assinalado com concerto no Pavilhão Multiusos de Febres

Mais de duas centenas de pessoas assistiram ao concerto de Reis que a Orquestra dos Antigos Tunos da Universidade de Coimbra realizou no Pavilhão Multiusos de Febres no passado dia 6 de Janeiro. Promovido pela Câmara Municipal de Cantanhede, no âmbito de uma parceria com a Junta de Freguesia de Febres e a Associação Gira Sol, o evento teve ainda como intervenientes o Chorus Ingenium, da Associação Cultural dos Engenheiros da Região Centro, e o Cantemus – Coro Juvenil do Município de Cantanhede.

No encerramento, a presidente da autarquia, Helena Teodósio, usou da palavra, afirmando que “é importante assinalar devidamente as efemérides que têm significado para as pessoas, neste caso do Dia de Reis e o início do novo ano, celebrando conjuntamente os valores que lhe estão associados”.

Sobre o espectáculo, a líder do executivo camarário valorizou “a presença em palco de formações musicais ecléticas que se conjugaram para dar a este concerto uma identidade consentânea com o espírito do que se celebra”. Numa breve referência ao contributo de cada um dos grupos, Helena Teodósio destacou o facto de “a Orquestra dos Antigos Tunos da Universidade ser constituída por elementos que centram na música e na passagem pela academia coimbrã o elo comum de realização pessoal”, enalteceu “a actividade crescente do Chorus Ingenium – Coro dos Engenheiros da Região Centro” e sublinhou “a evolução do Cantemus, formação coral que o Município de Cantanhede em boa hora decidiu fomentar e que tem no seu diretor artístico, maestro Augusto Mesquita, a melhor garantia de qualidade”.

O programa começou com a actuação da Orquestra dos Antigos Tunos da Universidade de Coimbra, que sob a direção do maestro Augusto Mesquita interpretou temas de compositores como Handel, Grieg, Shostakovich, entre outros, alguns dos quais com a participação do tenor Paulo Amador.

Na segunda parte, a Orquestra dos Antigos Tunos partilhou o palco com o Chorus Ingenium para a interpretação de canções emblemáticas de Zeca Afonso, como Canto Moço, Epígrafe, Menino d’Oiro, Milho Verde e Vejam Bem, e depois com o Cantemus, numa interpretação de Vois sur ton Chemin, de Bruno Coulais, seguida de Perfect Day, de Lou Reed, e terminando com Prima Donna e The Music of the Night, de Andrew Lloyd Webber, a primeira tendo como solistas Ana Beatriz Filipe, Afonso Marques e Hugo Jesus e a segunda com Mafalda Fernandes e Laura Franco.

O concerto encerrou com a actuação conjunta da Orquestra dos Antigos Tunos, do Chorus Ingenium e do Cantemus, que regressaram ao universo musical de Andrew Lloyd Webber com a interpretação de trechos de O Fantasma da Ópera, com arranjos corais e Instrumentais do maestro Augusto Mesquita e com a participação do pianista Tiago Nunes e do percussionista Ismael Silva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *