DGS quer pacotes de açúcar mais pequenos e alimentos menos doces

Pacotes_AcucarReduzir para três ou quatro gramas o açúcar contido nos actuais pacotes que costumam acompanhar o café, e que trazem sete ou oito gramas, e só dar ao consumidor quando pedido é uma das medidas que a Direcção Geral de Saúde (DGS) entregou no Ministério da Saúde.

O director do programa nacional de alimentação saudável, Pedro Graça, admitiu que foram entregues recentemente no Ministério da Saúde um conjunto de medidas para reduzir o açúcar na vida dos portugueses, medidas, essas que vão ter “baixos custos para as pessoas e para o estado”.

Deste modo, é esperado que sejam estabelecidas parcerias com a restauração e a indústria alimentar para que sejam reformulados os produtos alimentares de forma a terem menos açúcar, como por exemplo, os cereais de pequeno-almoço. No entanto, a ideia da DGS é que o procedimento seja replicado para outros alimentos.

A restrição do acesso de açúcar às pessoas vai também ser feito através de acções de educação nas escolas assim como acções de sensibilização junto da população em geral, explicou Pedro Graça.

“As medidas de sensibilização e de educação alimentar dirigem-se a toda a população, em particular à população em idade escolar. Outra medida é a reformulação dos produtos alimentares já hoje disponíveis e a continuação dessa reformulação para que eles contenham cada vez menos açúcar. Em terceiro lugar, queremos a redução da quantidade de açúcar presente nos pacotes de açúcar que hoje são disponibilizados à população, a par de um aconselhamento para que esses pacotes não sejam disponibilizados de imediato e apenas a pedido dos consumidores”, defendeu.

Segundo o director do programa nacional de alimentação saudável, Portugal é um “país guloso e um país salgado e, por isso, é importante ter em conta de que não se conseguem mudar hábitos com séculos de um dia para o outro. Por outro lado, defendeu Pedro Graça, “temos de ser firmes”, com “política continuada” que “não seja interrompida por impulso”.