Crioestaminal promove open day no âmbito do Dia Mundial do Sangue do Cordão Umbilical

No âmbito do Dia Mundial do Sangue do Cordão Umbilical (World Cord Blood Day, no original em inglês), que se assinala a 15 de Novembro, a Crioestaminal promove um Open Day nas suas instalações, em Cantanhede (Coimbra), com a transmissão em directo da conferência internacional WCBD17.

A iniciativa é dirigida sobretudo, a alunos universitários, investigadores, jornalistas e a todos os interessados pela investigação na área das células estaminais. As portas da Crioestaminal abrem às 13h45 e às 14h tem início a Conferência WCBD17, dirigida por Eliane Gluckman e Joanne Kurtzberg, sobre a história do sangue do cordão umbilical e que podem ser acompanhadas em directo a partir do auditório do Biocant Park.

Às 15h, Alexandra Machado, Directora Médica da Crioestaminal, aborda as questões da utilização do sangue do cordão umbilical e Carla Cardoso, Directora de I&D da Crioestaminal, apresentará o futuro do sangue do cordão umbilical no que respeita às suas utilizações.

A Medicina Regenerativa e a utilização terapêutica do sangue do cordão em diversas patologias –Diabetes tipo 1; Lesões da Espinal Medula; Paralisia Cerebral e Autismo – são aos temas da tarde, dirigidos por Charis Ober,   Maria Craig  Wise Young e   Joanne Kurtzberg, respectivamente.

Do Open Day faz ainda parte uma visita guiada ao laboratório da Crioestaminal.

O Open Day é uma iniciativa global da responsabilidade da Save the Cord Foundation, uma entidade independente sem fins lucrativos que se dedica à sensibilização para a importância do sangue do cordão umbilical.

Actualmente o sangue do cordão umbilical é já utilizado para tratar mais de 80 doenças e desde 1988, data do primeiro transplante com sangue do cordão umbilical, foram já realizados mais de 40.000 transplantes. Estas células estão também a ser aplicadas em medicina regenerativa para o tratamento de lesões da espinal medula, paralisia cerebral, autismo, diabetes tipo 1, entre muitos outros, com resultados promissores. Descartar o sangue do cordão umbilical, um recurso valioso que pode salvar vidas, é uma oportunidade perdida. Assim, disponibilizar aos governos, profissionais de saúde e pais informação completa, rigorosa e actualizada sobre esta matéria é de extrema importância.