Crédito Agrícola distingue seis entidades e projectos com 30 mil euros

O Crédito Agrícola revelou, esta quarta-feira, os vencedores do “Prémio Empreendedorismo e Inovação Crédito Agrícola”, numa cerimónia que contou com a presença do Ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, e onde foram atribuídos 30 mil euros a 6 entidades e projectos nacionais.

Este prémio, que vai já na quarta edição e que resulta de uma parceria com a INOVISA, está dividido em cinco categorias – Cereais, Floresta, Hortofruticultura, Produção Animal e Inovação em Colaboração. Cada um dos vencedores recebeu um prémio no valor de 5 mil euros e foi ainda atribuído um prémio de reconhecimento especial para a candidatura promovida por um Associado do CA, no mesmo valor.

Na categoria “Cereais” o prémio foi atribuído à MATTER, entidade que transforma resíduos orgânicos resultantes de processos agro-industriais, como a produção de cerveja, em materiais ecológicos para revestimento, mobiliário e outros produtos. A Matter está focada na reutilização de resíduos de produção para a criação de materiais sustentáveis, que podem substituir a fibra de madeira na composição dos aglomerados.

Na categoria “Floresta” o vencedor foi a ADAI, Associação para o Desenvolvimento da Aerodinâmica Industrial. Esta entidade, criada no seio da Universidade de Coimbra, está a desenvolver e a implementar ferramentas para a protecção activa contra incêndios em zonas rurais e na interface urbano-florestal. Estas ferramentas incluem telas ignífugas e sistemas de supressão do fogo, utilizadas para o estabelecimento de um perímetro de defesa e barreira à progressão do fogo.

A ADAI está duplamente de parabéns, já que também recebeu a distinção BfK (Born from Knowledge) da Agência Nacional de Inovação (ANI), enquanto entidade cuja inovação “nasce do conhecimento”.

A distinção BfK AWARDS é uma das iniciativas do programa Born From Knowledge (BfK), um programa de valorização do conhecimento científico e tecnológico promovido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, através da ANI. Através da associação a concursos e/ou prémios de inovação existentes, distingue projectos que “nasçam do conhecimento” e empresas que mais se destaquem em actividades de Investigação & Desenvolvimento (I&D). O BfK representa, assim, uma cultura que celebra a valorização da ciência e o seu impacto na sociedade, dotando Portugal de um programa de promoção e valorização do conhecimento científico e tecnológico.

Na categoria “Hortofruticultura”, o prémio foi atribuído à BIOVIVOS, uma empresa que produz e comercializa três variedades de plantas comestíveis – ervilha, girassol e erva de trigo – altamente nutritivas e vendidas vivas, potenciando assim a qualidade dos nutrientes até ao momento do consumo. As plantas, que são produzidas em micro-estufas urbanas com painéis solares e baixo consumo de água, são biológicas e sustentáveis.

Já na categoria “Produção Animal”, foi a ScrofaTech a grande vencedora. Trata-se de uma empresa que desenvolve sistemas inteligentes de apoio à gestão de explorações de suinicultura de vários tipos e dimensões. Com soluções como o Scrofa Partum e o Scrofa Pinge, a ScrofaTech garante sistemas de controlo de processos produtivos, nomeadamente a previsão e monotorização de partos, o controlo do ciclo reprodutor suíno e a monotorização do peso dos animais.

O projecto GREENTASTE foi o vencedor na categoria “Inovação em Colaboração”. É um projecto focado no desenvolvimento de preparados alimentares à base de tomate verde que não é colhido (tomate-indústria não amadurecido). Estes preparados podem ser utilizados na criação industrial de novos molhos e temperos.

O GREENTASTE resulta de uma parceria de várias entidades: CCTI – Centro de Competências do Tomate de Indústria, Espiral Pixel, Frutomaior, INIAV – Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, ISA/UL – Instituto Superior de Agronomia, ITALAGRO, Memória Silvestre, Sociedade Agrícola Ortigão Costa, Sociedade Agrícola Vale da Adega, Soluzer e Tomaterra.

Por último, o prémio de reconhecimento especial para a candidatura promovida por “Associado do CA” foi atribuído ao projecto LUSARROZ, um projecto para a obtenção de variedades portuguesas de arroz adaptadas às condições edafoclimáticas do país. A disponibilização aos agricultores de sementes certificadas destas variedades vem eliminar a necessidade de importação de arroz.

Ao envolver toda a cadeia de valor, o LUSARROZ disponibiliza um bem transacionável e valoriza a matéria-prima portuguesa. Este é um projecto desenvolvido em parceria por COTArroz, BENAGRO, INIAV – Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária e a APARROZ.

Durante o evento, o Presidente do Conselho de Administração Executivo do Crédito Agrícola, Licínio Pina, sublinhou que “esta é uma acção promovida pelo Crédito Agrícola para valorizar o empreendedorismo no sector agrícola contribuindo para a inovação e competitividade das fileiras agrícola, agro-indústria e floresta, que são cada vez mais competitivas e os consumidores mais exigentes.”