Conferência assinalou os 130 anos do nascimento de Fernando Pessoa

Mais de cinco dezenas pessoas participaram na conferência “130 anos sobre o nascimento de Fernando Pessoa” que decorreu no auditório da Biblioteca Municipal de Cantanhede, no passado dia 13 de Junho.

A iniciativa serviu ainda para assinalar o 130.º aniversário do nascimento de um dos mais brilhantes escritores portugueses, Fernando Pessoa, que continua hoje a cativar milhões de leitores em todo o mundo.

No decurso da sessão, Elsa Ligeiro foi explanando vários aspectos da vida e obra de Fernando Pessoa, foi visionado um extrato do filme “Conversa acabada”, de João Botelho, e lidos vários poemas e textos do autor. A autora destacou “o homem enquanto poeta, os movimentos em que participou e influenciaram a sociedade portuguesa, a sua faceta heteronímia e muitos outros aspectos singulares de um homem único”. Elsa Ligeiro realçou a importância de “falarmos mais sobre Fernando Pessoa, esse que ao lado de Camões, são os dois maiores poetas da língua portuguesa. Ele coloca a cultura literária portuguesa num patamar elevadíssimo em todo mundo, por isso temos a obrigação de preservar o seu importante legado”.

Inserida no projecto “Tardes Comunitárias: Dar + Vida aos Anos”, a conferência foi proferida por Elsa Ligeiro, responsável pela produtora Alma Azul e teve como objectivo principal assinalar aspectos da vida e obra do poeta e escritor Fernando Pessoa, a figura excepcional da literatura portuguesa.

Sobre Fernando Pessoa

Fernando António Nogueira Pessoa nasceu em Lisboa, no dia 13 de Junho de 1888, cidade onde viria a falecer, em 1935. Pela sua obra excepcional é considerado como um dos maiores génios poéticos da literatura portuguesa e o mais universal poeta português.

Poeta, ensaísta, filósofo, dramaturgo, tradutor, crítico literário e comentarista político português, Fernando Pessoa publicou em vida quatro obras, três em língua inglesa que dominava por ter vivido e estudado na África do Sul.

Enquanto poeta, escreveu sob diversas personalidades, os célebres heterónimos – Alberto Caeiro, Álvaro de Campos e Ricardo Reis, e, ainda, sob o semi-heterónimo Bernardo Soares.

 

Sobre Elsa Ligeiro

Elsa Ligeiro nasceu em 1962 em Alcains, concelho de Castelo Branco. Foi jornalista no Jornal do Fundão, do qual também é editora, onde começou a tomar contacto e a apaixonar-se pela feitura do livro.

Decidiu então investir o seu tempo na cultura, na poesia, e fundou em Coimbra a livraria e editora A Mar Arte, em 1993, que se dedicava ao lançamento de novos poetas, mas tinha também uma componente de promoção cultural. Publicou, no total, 87 obras, na sua maioria de poesia, entre as quais os dois primeiros livros de Valter Hugo Mãe. Em Outubro de 1999, fundou a Alma Azul que, além de editora, é produtora de actividades culturais, com o objectivo de lançar novos livros para o mercado, mas também promover a cultura. Dentro da sua actividade cultural, a Alma Azul faz animação em bibliotecas municipais e outros locais, promovendo a poesia portuguesa de autores como Álvaro de Campos, Mário Sá Carneiro, Al Berto, Eugénio de Andrade ou Sophia Mello Breyner.