Cientista de Cantanhede distinguido com bolsa europeia

Gonçalo Castelo-Branco, natural de Cantanhede, foi um dos oito cientistas portugueses que recebeu uma bolsa de consolidação de 2015, no âmbito do programa europeu de investigação e inovação Horizonte 2020.

No total, o European Research Council (ERC)  atribuiu bolsas a 302 investigadores de topo de toda a Europa. Destinadas a cientistas a meio da carreira, as bolsas contabilizam um total de 585 milhões de euros, com as bolsas individuais a poderem chegar aos dois milhões de euros, segundo a informação da Comissão Europeia.

As bolsas visam permitir aos cientistas “consolidar as suas equipas de investigação e desenvolver as suas ideias inovadoras”.

O comissário europeu responsável pela Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, referiu que estas bolsas financiam o “trabalho de algumas das mentes mais brilhantes em termos de investigação de fronteira” e “pessoas cujas invenções podem dar origem a novas indústrias e novos mercados e que contribuem para o bem-estar do planeta”.

Gonçalo Castelo-Branco, de 39 anos, é licenciado em Bioquímica pela Universidade de Coimbra e doutorado em Bioquímica Médica pelo Instituto Karolinska, em Estocolmo (Suécia), onde trabalha como professor assistente e investigador sénior no departamento de Epidemiologia e Bioestatística.