Cidadãos por Coimbra querem canil/gatil de Coimbra com melhores condições

A autarquia de Coimbra vai investir cerca de 30 mil euros em trabalhos de reabilitação no canil/gatil de Coimbra, visando, designadamente, a reabilitação do piso dos seus edifícios e a abertura de algumas janelas, cuja adjudicação deverá ser feita em breve, anunciou o vereador Francisco Queirós, eleito pela CDU.

No entanto, para o vereador do movimento Cidadãos por Coimbra (CpC), da Câmara Municipal de Coimbra, José Augusto Ferreira da Silva, as obras projectadas para o canil/gatil municipal, “embora importantes”, não resolvem o problema das instalações.

“As obras não resolvem a situação”, pois, à exceção de um pavilhão, as instalações do canil gatil são de “fraquíssima qualidade”, sustentou o autarca do CpC esta sexta-feira, 1 de Abril, durante uma visita ao local.

Para José Augusto Ferreira da Silva, ainda assim, os trabalhos previstos “são positivos” e, para além de revelarem que os responsáveis têm “consciência de que o problema existe”, atenuarão, de algum modo, a degradação das instalações do canil/gatil e as deficientes condições de trabalho de que os seus funcionários dispõem.

O vereador do CpC reconhece que há serviços homólogos “noutros sítios que são muito piores”, mas o que importa é compreender que o canil/gatil de Coimbra “não tem condições” e que tem de “melhorar radicalmente”. “Coimbra não pode manter isto assim, apesar do empenho e da preocupação” de quem trabalha e é responsável por este centro, sustentou.

Além daquelas obras, cuja adjudicação deverá ser feita dentro de poucos meses, a Câmara também prevê um segunda intervenção para ampliar as instalações do canil/gatil.

Em 2015, deram entrada naquele centro mais de 1.600 animais, quantidade que representa um acréscimo de cerca de 17% em relação ao ano anterior.

Dos animais que ali deram entrada, durante o ano passado, cerca de seis dezenas foram restituídos aos donos e perto de 670 foram adoptados por novos donos, indicadores que representam acréscimos da ordem dos 20% e dos 60%, respectivamente, em relação ao ano anterior.