Ciclo Teatro Amador de Cantanhede continua com espectáculos em Murtede e Cordinhã

Uma nova jornada do Ciclo de Teatro Amador de Cantanhede está agendada para o próximo sábado, 11 de Fevereiro, com a realização de mais dois espectáculos, um em Murtede, outro em Cordinhã.

É assim que, no âmbito do certame promovido pela Câmara Municipal para revitalizar a actividade teatral no concelho, o Grupo de Teatro Experimental “A Fonte” irá apresentar, no palco da Junta de Freguesia de Murtede, às 21h30, uma peça sobre um certo imaginário que persiste, a partir de situações que exploram mitos e histórias que remetem para o seu passado. Da autoria de Cristina Serém, “Murtede, Terra da Ciência” coloca em cena várias personagens que se envolvem em situações caricatas na recuperação de referências que, verdadeiras ou fantasiosas, ajudam a contar a história da comunidade.

Também às 21h30, no salão da Associação de Instrução e Recreio de Cordinhã, o Cordinha d’Água Teatro – Grupo de Teatro do Rancho Folclórico “Os Lavradores” de Cordinhã estreia duas encenações de textos originais de Manuel Tomé. A Promessa é um drama sobre a experiência de um casal que, depois de se ter visto confrontado com o desaparecimento do seu filho primogénito na guerra colonial, vê partir o mais novo com a promessa de trazer o irmão mais velho, em quaisquer circunstâncias.

Num registo diferente, Balburdia na Aldeia é uma comédia que relata a história de uma comunidade, as suas tradições e as suas desavenças. Apesar das contendas, das discussões e dos litígios, a verdade é que, quando se trata de defender a terra e os conterrâneos, todos se unem em prol do interesse colectivo.

Depois da estreia perante nas comunidades a que pertencem, o Grupo de Teatro Experimental “A Fonte”, de Murtede e o Cordinha d’Água Teatro irão cumprir uma jornada de itinerância com a apresentação dos seus espectáculos nas sedes de outras entidades que participam no Ciclo de Teatro Amador de Cantanhede.

Sobre o Grupo de Teatro Experimental “A Fonte” de Murtede

O Grupo de Teatro Experimental “A Fonte” de Murtede foi fundado em 2000 por 24 jovens da freguesia. Esta associação juvenil tem atualmente cerca de 80 associados e é filiada no INATEL e no Instituto Português da Juventude.

Da sua actividade no campo das artes cénicas destaca-se a apresentação regular de peças de teatro em produções que têm registado o reconhecimento do público e das entidades que têm apoiado o trabalho do grupo, nomeadamente a Câmara Municipal de Cantanhede, a Junta de Freguesia de Murtede, o INATEL, o Instituto Português da Juventude (IPJ) e a Delegação Regional do Centro do Ministério da Cultura.

Além da sua participação regular em diversos espetáculos de Teatro, desenvolve também outro tipo de acções culturais, com destaque para Danças na Minha Aldeia, encontro com animação em diversas vertentes musicais que se realiza na segunda quinzena de Maio, concertos de música sacra, convívios e iniciativas não só com os seus associados mas também com outros habitantes da comunidade, como é o caso do programa de OTL – Ocupação de Tempos, da responsabilidade do IPJ.

O Grupo de Teatro Experimental “A Fonte” de Murtede participa também regularmente na EXPOFACIC e desenvolve algumas parcerias na organização de eventos promovidos pela Junta de Freguesia de Murtede e a Câmara Municipal de Cantanhede.

Sobre o Rancho Folclórico “Os Lavradores” de Cordinhã

O grupo foi fundado em 19 de Outubro de 1978 por iniciativa do pároco da freguesia, chamado Fernando, e de um grupo de pessoas convidadas para o efeito, entre elas o músico Arsénio Cavaco. Cinco anos depois, mais propriamente no dia 17 de Fevereiro de 1983, foi legalizado por escritura pública no Cartório Notarial de Cantanhede e publicado no Diário da República III Série, n.º 81 de 8-4-1983 como Associação Cultural e Recreativa, denominada Rancho Folclórico de Cordinhã.