Ciclo de Teatro de Cantanhede prossegue com espectáculos em Sanguinheira, Franciscas e Ourentã

Uma estreia e duas acções de itinerância artística resumem a jornada do Ciclo de Teatro Amador do Concelho de Cantanhede no próximo fim-de-semana (19 e 20 de Março).

A estreia é do Grupo de Teatro Renascer, do Centro Social de Recreio e Cultura da Sanguinheira, no salão paroquial local, sábado, dia 19 de Março, às 21h30. Em cena vai estar a peça “Rir é o Melhor Remédio”, uma comédia da autoria de um grupo de elementos do grupo cénico que retrata diversas situações da sociedade actual numa perspectiva crítica explorando a sua dimensão humorística. A sinopse da peça refere que dela fazem parte “vários momentos musicais relacionados que, em articulação com os sketches, constituem um receituário sem contraindicações e muitos momentos hilariantes”.

Ainda no sábado, igualmente às 21h30, o Grupo de Teatro Amador da União Recreativa de Cadima cumpre a sua acção de itinerância artística na sede da Associação do Grupo Musical das Franciscas, apresentando duas peças já estreadas perante o seu público. Uma delas é “Espada de Cristal”, da autoria de Fernanda de Castro, um drama sobre as vicissitudes por que passam dois amantes que tentam de tudo para viver e concretizar o seu sonho, enfrentando para tal muitos obstáculos. A outra é “Uma Trapalhada”, comédia de costumes a partir do original de José Correia de Sousa, um enredo destinado a contrariar a expressão popular que sustenta que a mentira tem sempre perna curta. Na verdade, nem sempre é assim!

Também em itinerância vai estar o Grupo de Teatro, Arte e Cultura da Pocariça, que no domingo visita o Centro Social e Polivalente de Ourentã para apresentar, às 15h30, “Solução XVIII”, uma peça com acção centrada num ensaio de um grupo cénico que é invadido por três personagens que consideram ter um grande projecto para a evolução da 18.ª edição do Ciclo de Teatro Amador de Cantanhede. Depois de muitas incertezas por parte do director, do desprezo por parte dos actores, da pressão e das assombrações a que os intervenientes são sujeitos, no final todos convergem para uma solução consensual.

O Ciclo de Teatro Amador do Concelho de Cantanhede é, recorde-se, uma acção que a Câmara Municipal tem vindo a promover há 18 anos consecutivos, com a participação dos grupos cénicos com tradição nesta área. Na edição deste ano estão envolvidas mais de 300 pessoas, a maioria como actores, mas também muitas outras nas diversas tarefas inerentes à produção, montagem e encenação dos espectáculos.

Para a autarquia cantanhedense, o intercâmbio entre os grupos cénicos participantes, e os resultados obtidos, quer ao nível do desenvolvimento artístico e técnico das suas produções teatrais, quer no que diz respeito à formação de novos públicos, justifica a atribuição de um subsídio para as despesas inerentes à preparação, montagem e representação das peças e ainda o significativo apoio no que diz respeito à logística e divulgação.