Associações culturais do concelho de Cantanhede receberam subsídios da Câmara Municipal

A Câmara Municipal de Cantanhede acaba de proceder à transferência de verbas destinadas a apoiar financeiramente as entidades com intervenção nesta área. Nos termos da deliberação camarária aprovada para o efeito, o montante global que a autarquia cantanhedense canaliza para esse fim ascende a 47.825 euros, mais 7% do que no ano anterior, tendo os representantes das associações recebido os respectivos subsídios no decurso de um encontro com o presidente do Município, João Moura, que esteve acompanhado pela vice-presidente da autarquia, Helena Teodósio, pelo vereador da Cultura, Pedro Cardoso, e pelo vereador Pedro Carrana.

Como habitualmente, a atribuição de verbas para financiar o movimento associativo foi antecedida da celebração de contratos programa de desenvolvimento cultural, nos termos do regulamento que define os critérios em que se fundamentam os apoios concedidos e as condições para a sua aplicação.

Assim, considerando as valências elegíveis e enquadráveis no documento normativo em vigor, o valor total foi distribuído pelas entidades beneficiárias em função da natureza e do nível de actividade que desenvolvem, bem como o número de intervenientes nesse processo.

Conforme estabelece o contrato de desenvolvimento cultural, as associações comprometem-se a utilizar um mínimo de 75% do subsídio para fazer face a despesas de capital, nomeadamente, com a aquisição de equipamento diverso e/ou intervenções em infraestruturas existentes, em consonância com o plano de actividades previamente apresentado, e assumem o compromisso de participar num número especificado de iniciativas culturais promovidas pela Câmara Municipal.

O apoio do Município de Cantanhede às associações musicais, recreativas e culturais do Concelho visa “a criação de condições materiais, técnicas e logísticas necessárias à promoção e desenvolvimento das suas actividades”. A este respeito, o líder do executivo camarário considera “o fomento cultural uma das funções sociais em que a autarquia tem especiais responsabilidades, pelo que é sua obrigação apoiar a meritória acção das entidades que mais contribuem para a dinamização das comunidades nesse domínio”.

Segundo João Moura, “o modelo de cooperação em vigor traduz a assunção dessas responsabilidades, tanto mais que ele não se esgota na atribuição de subsídios ao abrigo dos contratos de desenvolvimento cultural. Além destes”, recorda o autarca, “a Câmara Municipal financia vários projetos de intervenção cultural e comparticipa investimentos na valorização de instalações e aquisição de equipamentos, o que de resto é um fator crucial para a atividade das associações”.

No mesmo sentido foi a intervenção do vereador da Cultura, Pedro Cardoso, que na ocasião sublinhou “a importância do papel do movimento associativo na inegável expressão e vitalidade cultural que o concelho de Cantanhede tem evidenciado”. As associações são verdadeiras escolas de cidadania que promovem a aprendizagem de uma muito útil forma de participação na vida pública”. Pedro Cardoso manifestou-se ainda reconhecido ao Presidente da Câmara por ter “proporcionado condições para que o valor anual destinado aos subsídios para os agentes culturais durante o ciclo político particularmente difícil como aquele que se viveu nos últimos anos”.

 No decurso desta cerimónia foram igualmente entregues os apoios financeiros às 15 associações que estiveram envolvidos na 19.ª edição do Ciclo de Teatro Amador do Concelho de Cantanhede, bem como a primeira tranche do subsídio atribuído às colectividades que participarão este ano nas Marchas Populares.