Assinado o contrato para a construção da futura ponte pedonal sobre o Rio Mondego

O presidente da Câmara Municipal de Coimbra (CMC), Manuel Machado, assinou esta segunda-feira (28 de Novembro), o contrato da empreitada de construção da nova ponte pedonal e ciclável sobre o Rio Mondego, que ficará adossada ao tabuleiro inferior do Açude-Ponte. A obra ficará a cargo da empresa Irmãos Almeida Cabral, Lda., que irá receber 646.906,91 euros (IVA incluído) e dispõe de um prazo de 210 dias (contínuos) para a concluir. O contrato foi de seguida encaminhado para obtenção de visto do Tribunal de Contas.

Depois da ponte Pedro & Inês, junto ao Parque Verde do Mondego, Coimbra irá dispor de uma segunda travessia pedonal e ciclável sobre o rio, numa zona com grande procura por parte de peões e ciclistas. Até ao momento, a travessia apresenta poucas condições de segurança, dada a proximidade de peões e ciclistas do automóvel, devido à falta de largura. Um fator que melhorará muito com o surgimento da nova ponte.

Esta obra de arte integra-se na Ciclovia de Coimbra – Coimbra B/Vale das Flores/Portela e nos Caminhos de Fátima e Santiago. Projetos integrados no Plano Estratégico e de Desenvolvimento Urbano de Coimbra (PEDU), cujo contrato foi assinado em 31 de Maio último, entre o Município de Coimbra e a Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Centro (Centro 2020).

A nova ponte pedonal e ciclável será construída a montante do tabuleiro inferior da Ponte Açude. Terá 165,6m de comprimento e 2,40m de largura máxima, a que acresce um passadiço sobre a escada de peixe, situada na margem esquerda, com 14m de comprimento e 2,4m de largura. A estrutura metálica da ponte apresenta um peso que ronda as 57 toneladas.

A solução construtiva a adotar passa pela colocação de uma estrutura em vigas metálicas contínuas em treliça, suportadas por estruturas em consola apoiadas nos contrafortes de betão existentes. O tabuleiro será em chapa de aço nervurada, de efeito antiderrapante. A guarda lateral terá uma altura de 1,20m a montante, para maior segurança de ciclistas e peões, sendo reutilizada, parcialmente, a guarda existente. Na separação entre os tabuleiros rodoviário e pedonal/ciclável será colocada uma guarda de segurança metálica tubular que impeça a invasão da zona pedonal por veículos automóveis.

Mas os benefícios desta empreitada não se ficam por aqui. A intervenção inclui também a reformulação dos dois entroncamentos de acesso rodoviário ao tabuleiro inferior, nas margens esquerda e direita. Essa reformulação irá proporcionar aos condutores uma maior visibilidade, atualmente prejudicada pela presença dos pilares do tabuleiro superior.

Prevê-se, igualmente, a reformulação da rede de iluminação pública na ponte e zonas adjacentes e o reforço da iluminação da ciclovia existente entre o Açude-Ponte, o Choupal e os campos do Bolão. O que implica a colocação de 60 colunas de iluminação pública e 152 luminárias.

Na margem direita, a ciclovia será prolongada até à Rua Padre Estêvão Cabral (passagem de nível para peões existente na linha férrea) e, desta, até à Rua do Arnado. Já a laje de betão existente sobre a tomada de água para o canal de rega será pavimentada em calçadinha, transformando-se numa praça de contemplação do rio. Na margem esquerda, prevê-se a recuperação da pérgula existente, ficando definida a ligação à futura ciclovia junto à margem do rio até à Av. de Conimbriga.

A empreitada contempla ainda a renovação da rede de drenagem das águas pluviais e acessos pavimentados em betão betuminoso e calçadinha em ambas as margens.