“Aqui o futuro já começou” (com fotogaleria)

No dia 6 de Novembro os concelhos de Cantanhede e Mira receberam a visita do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que fez questão de visitar algumas das empresas mais afectadas pelos incêndios de 15 de Outubro, assim como o quartel dos Bombeiros Voluntários de Mira e ainda uma casa destruída totalmente pelas chamas, na localidade da Corujeira.

 

Em cada um dos concelhos, Marcelo foi guiado pelos presidentes da Câmara, Helena Teodósio, em Cantanhede, e Raul Almeida, em Mira, que foram respondendo às questões do chefe de Estado, que se inteirou dos problemas das populações e dos empresários locais.

A primeira paragem foi na Zona Industrial da Tocha, com Helena Teodósio e Fernando Pais Alves

Aos jornalistas, o governante garantiu que o pacote de medidas de apoio às populações e empresas está a ser “executado com rapidez” e lembrou ainda que diversos ministros e secretários de Estado “têm estado permanentemente no terreno a avaliar a situação”, havendo “uma vontade genuína dos partidos e do executivo de responder com rapidez às necessidades das populações afectadas”.

“Quanto mais cedo se conhecerem as perdas que são co
bertas pelos seguros mais depressa será possível avançar com outro tipo de apoios às empresas e empresários”, para os quais foi já criada uma linha de crédito de 100 milhões de euros.

De sorriso aberto e entre muitas fotografias, beijos, abraços e alguns momentos mais comoventes, o Presidente “dos afectos” levou uma palavra de esperança aos empresários de Cantanhede e Mira que viram os seus negócios destruídos total ou parcialmente pelas chamas mas que ainda assim tentar manter a esperança intacta. “Não baixem os braços”, exortou, prometendo voltar em Maio para ver e celebrar a recuperação total das empresas.

Em Mira, com Raul Almeida

“Aqui o futuro já começou”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa em Mira, aproveitando o momento para elogiar a atitude dos empresários que “têm arregaçado as mangas”, mantendo em funcionamento empresas que criam riqueza e asseguram postos de trabalho.

Na Sanindusa, na Tocha, o chefe de Estado ficou surpreendido pela forma “como os responsáveis da empresa já têm metas muito definidas, já têm ideias muito claras sobre as várias frentes que têm que vencer. Está tudo muito bem pensado e programado para reactivar o funcionamento da fábrica de uma empresa exportadora com prestígio nacional e internacional” sublinhou.

O chefe do Estado deixou ainda uma palavra de incentivo aos bombeiros locais, que no dia 15 de Outubro foram confrontados com mais de uma centena de frentes de incêndio. “Sem bombeiros nunca será possível responder às exigências dos fogos ao longo do ano. O vosso papel é insubstituível”.