António Portugal no ciclo “Canção de Coimbra: Cultores e Repertórios”

No âmbito do ciclo de palestras “Canção de Coimbra: Cultores e Repertórios”, que se realiza no Núcleo da Guitarra e do Fado de Coimbra da Câmara Municipal de Coimbra (Torre de Anto, na Rua de Sobre-Ribas), realiza-se, no próximo domingo (23 de Outubro), uma palestra dedicada ao guitarrista e compositor António Portugal (n. 1931; m. 1994), por ocasião dos 85 anos do nascimento deste nome grande da Canção de Coimbra.

Com início previsto para as 15h30, a iniciativa terá como orador Manuel Portugal, jornalista, intérprete da guitarra de Coimbra, presidente da Associação Fado Hilário e filho de António Portugal, a quem dedica a abordagem do tema “O Papel de António Portugal na Dinâmica da Canção de Coimbra dos Anos 50 aos Anos 90”.

António Portugal, guitarrista e compositor, desempenhou também, no panorama do Fado de Coimbra, um importantíssimo papel como produtor, tendo deixado a sua marca nalguns dos mais importantes trabalhos discográficos da canção coimbrã. Foi por sua iniciativa, junto do editor Arnaldo Trindade, que José Afonso e Adriano Correia de Oliveira, entre outros, gravaram as primeiras obras discográficas.

Foi também o seu trabalho de produtor que permitiu a gravação, para a “Philips”, do disco português mais vendido de sempre em todo o mundo – “Serenata de Coimbra”, pelo famoso “Coimbra Quintet – que apresentou ao mundo a voz de Luiz Goes.

Para a história ficam os ensaios com a segunda geração de ouro da canção de Coimbra que formou vozes tão importantes como a de Fernando Machado Soares, Sutil Roque, Fernando Rolim, António Bernardino, entre muitos outros.

Manuel Portugal pretende, assim, com a sua comunicação, lembrar a importância deste trabalho e transpor o exemplo de António Portugal para os dias de hoje. Lembrará, ainda, momentos de trabalho que juntaram António Portugal e Florêncio de Carvalho, com quem o guitarrista muito aprendeu e que influenciaram para sempre o seu trabalho musical. A melhor forma de Manuel Portugal o fazer, considera o orador, será através de um ensaio ao vivo, que pretende deixar algumas pistas sobre o trabalho que urge fazer, actualmente, no canto de Coimbra, cada vez mais lírico e afastado das suas raízes mais tradicionais.

A entrada é livre, ainda que condicionada à lotação do miniauditório da Torre de Anto.

O ciclo “Canção de Coimbra: Cultores e Repertórios” prevê, no próximo dia 22 de Novembro (terça-feira), às 18h00, a palestra subordinada ao tema “As Crises Académicas e a Canção de Coimbra”, a cargo de Luís Marinho e Rui Pato. A edição 2016 do projecto culminará, depois, com um Ciclo de Guitarra, no mês de Dezembro.