A discussão de “Futuros Disputados” junta em Coimbra perto de um milhar de Antropólogos

O VI Congresso da Associação Portuguesa de Antropologia (APA) vai reunir na Universidade de Coimbra (UC), entre 2 e 4 de Junho, perto de um milhar de Antropólogos de várias áreas, académicos, estudantes e profissionais para um debate alargado intitulado “Futuros Disputados”, sobre os mundos que habitamos, criamos e diferenciamos.

Trata-se de um dos mais importantes eventos na área da Antropologia, contando com a apresentação de 797 comunicações e estudos, entre os quais um estudo sobre o suicídio em Portugal, onde se observa que o padrão de mortalidade por suicídio apresenta uma distribuição diferenciada no Norte e Sul.

Vai ser apresentado “o padrão de evolução histórica e geográfica das taxas de suicídio em Portugal e vão ser fornecidos elementos explicativos exploratórios para o estudo do fenómeno, com especial incidência na região alentejana”, explicam os autores da investigação.

Vão também ser apresentadas as conclusões da investigação “desigualdades sociais em crianças: obesidade, comportamentos sedentários e actividade física”. “As desigualdades sociais em saúde determinam o risco de morbilidade e mortalidade desde a infância até à idade adulta. Em crianças portuguesas verifica-se uma associação significativa entre os valores de obesidade infantil, comportamentos sedentários e menos actividade desportiva em crianças de famílias mais pobres”, adianta a coordenadora do projecto, Cristina Padez.

Paralelamente ao congresso, que tem como oradores Miriam Grossi, Maurice Bloch e Robert Rowland (http://vicongresso.apantropologia.org/keynote-speakers/), vai decorrer uma mostra de cinema etnográfico, com o objectivo de “mostrar através das imagens como os ‘Futuros Disputados’ significam presentes e passados diversos; porque o mundo se faz a diferentes marchas, vontades, impulsos, perante a incerteza e a incompletude da história”.