30 Anos José Afonso

No ano em que se comemora o 30.º aniversário da morte de Zeca Afonso, a Orquestra Clássica do Centro e a Associação José Afonso – Núcleo de Coimbra  associam-se  às iniciativas que por todo o País  se estão a realizar, sob o mote “ Insisto não ser Tristeza”.

Assim, no dia  11 de Março realizou-se um encontro que teve  apresentação/moderação do jornalista Jorge Castilho e em que estiveram presentes Francisco  Fanhais (músico e presidente da Direção da AJA), Emília Cabral Martins (presidente da Direção da OCC),  Deolinda Portelinha (médica) e Rui Pato (músico e médico). Durante o encontro foi também inaugurada a exposição “Insisto não ser Tristeza” no Pavilhão Centro de Portugal em Coimbra, tendo as duas associações assinado  um protocolo com o propósito de promover  a cooperação entre ambas as instituições.

O espaço foi pequeno para acolher todos os que se deslocaram ao Pavilhão Centro de Portugal nesse dia. As duas associações  anunciaram também o programa das próximas actividades previstas: no dia 26 de Maio, pelas  21h30,  no Pavilhão Centro de Portugal, está marcado mais um “Encontro com Amigos do Zeca em Coimbra”, com a participação Grupo Raízes de Coimbra e convidados. A presença de Octávio Sérgio e Rui Pato, que acompanharam José Afonso, é um dos principais destaques deste evento.

Sendo a OCC parceira nestas iniciativas, não poderia deixar de marcar “Encontro” com a sua Orquestra. Contando com a participação de João Afonso, a OCC realizará um concerto em Setembro, em dia e local a anunciar oportunamente. A direcção do concerto será de José Eduardo Gomes, maestro titular da OCC.

Estão também abertas as inscrições a Jovens Músicos que queiram interpretar a música de José Afonso. As propostas para interpretações, a solo ou em grupo, com completa liberdade no que respeita ao estilo musical, têm como prazo de inscrição o dia 5 de Maio. Da inscrição deve constar a identificação do grupo(s) / interprete(s) , o programa proposto (obras a interpretar) e, no caso de composições/orquestrações para orquestra, estas deverão ter em conta a constituição habitual da OCC. Não há contrapartidas pecuniárias associadas à participação. A organização fará a selecção e promoção do(s) espetáculo(s).No caso das composições para orquestra, as obras  seleccionadas serão interpretadas num dos programas a realizar pela OCC.