1,9 milhões de euros para investigadora de Coimbra estudar o anti-racismo

ma bolsa Consolidator Grant do Conselho Europeu de Investigação (ERC), no valor de 1,9 milhões de euros, foi atribuída a Silvia Rodriguéz Maeso, investigadora do Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra, para concretizar o projeto de investigação «POLITICS – The politics of anti-racism in Europe and Latin America: knowledge production, decision-making and collective struggles».

O projeto de Silvia Maeso tem como desafio inovador aprofundar o conhecimento sobre o antirracismo, proporcionando uma maior compreensão sobre a forma como as injustiças historicamente enraizadas estão a ser questionadas por instituições e movimentos sociais de base. O estudo a efetuar tem dois objetivos principais: a) a análise de processos de produção de conhecimento sobre “raça” e (anti)racismo nas esferas da política governamental (inter)nacional, universidades públicas e movimentos sociais; b) a análise dos múltiplos caminhos de denúncia e mobilização coletiva contra o racismo quotidiano em relação às práticas policiais e às representações sobre (anti)racismo nos meios de comunicação social.

Este estudo desafia as lacunas nos estudos comparativos que têm trabalhado a partir de abordagens meramente avaliativas, sustentando-se em contextos de pesquisa que permitem interrogar as relações entre os níveis global, nacional e local, nomeadamente as realidades das Nações Unidas, a Organização dos Estados Americanos (OAS), da União Europeia (UE) e das políticas públicas, universidades públicas e movimentos de base em 4 países: Brasil, Peru, Portugal e Espanha. POLITICS procurará desvendar a configuração de diferentes noções de dignidade, justiça e igualdade resultantes das lutas antirracistas e das políticas públicas e a legislação recentes, que nos permitam pensar horizontes descoloniais.

Neste concurso para Consolidator Grant, o ERC recebeu mais de 2300 candidaturas, com apenas cerca de 10% a conseguirem aprovação. O objetivo do ERC é o de apoiar os/as investigadores/as numa fase em que estão a consolidar as suas equipas de investigação independentes.

Doutorada em Sociologia Política (Universidade do País Basco), Silvia Maeso é investigadora principal do CES, onde integra a equipa do Núcleo de Estudos sobre Democracia, Cidadania e Direito (DECIDe). É professora nos Programas de Doutoramento «Democracia no Século XXI» e «Human Rights in Contemporary Societies» e no Mestrado Internacional «Roads to Democracy(ies)» (UC/University of Siegen). É ainda membro do Comité de Redação da revista e-cadernos ces e do Comité Editorial de Papeles del CEIC. Foi coordenadora executiva do projeto «TOLERACE – The semantics of tolerance and (anti-)racism: public bodies and civil society in comparative perspective». Entre as suas publicações mais recentes destacam-se: Eurocentrism, Racism and Knowledge: Debates on History and Power in Europe and the Americas (Palgrave Macmillan, 2015, coorganizado com Marta Araújo) e Os contornos do Eurocentrismo. Raça, história e textos políticos (Almedina, 2016, em coautoria com Marta Araújo).

Os seus interesses de investigação e ensino têm-se centrado nas áreas da: teoria sociológica, racismo e antirracismo em contextos europeus; Eurocentrismo e a produção da História; e Comissões da Verdade em contextos latino-americanos.

Conseguidos nos concursos mais competitivos da Europa, este é já o sexto financiamento do ERC que o CES obtém, num total de mais de 9 milhões de euros. Depois da Advanced Grant atribuída a Boaventura de Sousa Santos (2010), no valor de 2,4 milhões de euros, para o projeto de investigação «ALICE – Espelhos estranhos, lições imprevistas: definindo para a Europa um novo modo de partilhar as experiências do mundo», das Starting Grants outorgadas a Ana Cristina Santos (2013), para realizar o projeto «INTIMATE – Cidadania, Cuidado e Escolha: A Micropolítica da Intimidade na Europa do Sul» (1,4 milhões de euros), e a Miguel Cardina (2016), para desenvolver o projeto «CROME – Memórias cruzadas, políticas do silêncio: as guerras coloniais e de libertação em tempos pós-coloniais» (1,4 milhões de euros), e das Consolidador Grants atribuídas a Margarida Calafate Ribeiro e Helena Machado (2015), para desenvolverem, respetivamente, os projetos «MEMOIRS – Os Filhos dos Impérios e Pós-Memórias Europeias» (1,9 milhões euros) e «EXCHANGE – Geneticistas forenses e a partilha transnacional de informação genética na União Europeia: relações entre ciência e controlo social, cidadania e democracia» (1,8 milhões de euros).

As bolsas ERC que, com o apoio da UE, financiam a investigação de ponta no espaço europeu, têm sido pouco atribuídas a cientistas em Portugal. É, portanto, significativa mais esta atribuição a estudos conduzidos no Centro de Estudos Sociais, representativa da qualidade e inovação de projectos na área dos estudos críticos de “raça” e (anti)racismo.

© 2016 – Ciência na Imprensa Regional / Ciência Viva